ONU: fome atinge mais de 820 milhões de pessoas no mundo
BR

15 julho 2019

Novo relatório lançado por cinco agências da ONU indica que situação é mais preocupante na África; especialista da FAO cita países como Angola e Moçambique por progressos, mas destaca que cenário ainda preocupa.

Após décadas de declínio constante, a tendência da fome no mundo, que é medida pela prevalência da desnutrição, foi revertida em 2015.  Nos últimos três anos, as taxas permaneceram praticamente inalteradas em um nível ligeiramente abaixo de 11%. 

No entanto, o número de pessoas atingidas pela fome aumentou lentamente. Como resultado, mais de 820 milhões de pessoas no mundo ainda passavam fome em 2018, ressaltando o imenso desafio de atingir a meta do Fome Zero até 2030.

Relatório

Os dados constam no relatório o Estado da Insegurança Alimentar e Nutricional no Mundo em 2019, lançado nesta segunda-feira por cinco agências da ONU.

Falando à ONU News de Roma, a especialista em segurança alimentar e nutrição da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a FAO, Anne Kepple, explicou que este ano o relatório também introduziu um segundo indicador para fazer o monitoramento da fome e o acesso aos alimentos no contexto da agência 2030.

“Esse indicador analisa a prevalência da insegurança alimentar moderada ou grave, baseada na escala de experiência de insegurança alimentar.  Esse indicador vai além da fome, e fornece uma estimativa do número de pessoas sem acesso estável a alimentos nutritivos e suficientes durante todo o ano. Quando consideramos o número de pessoas com insegurança alimentar severa, ou seja, as pessoas que passam fome, junto com as pessoas com insegurança alimentar moderada, a FAO estima que o número chegue a 2 bilhões de pessoas no mundo.

África

De acordo com o relatório, a situação é mais preocupante na África. A região tem as maiores taxas de fome do mundo e apresenta índices que continuam crescendo lentamente, mas constantemente em quase todas as sub-regiões.

Na África Oriental, em particular, cerca de um terço da população, 30,8%, está subnutrida. Além do clima e do conflito, a desaceleração e a retração da economia estão impulsionando o crescimento.

Desde 2011, quase metade dos países onde a fome crescente ocorreu devido a desacelerações econômicas ou estagnação foram na África.

Ásia

O estudo aponta também que o maior número de pessoas subnutridas, mais de 500 milhões, vive na Ásia, principalmente nos países do sul da Ásia.

Juntos, a África e a Ásia têm a maior parcela de todas as formas de desnutrição, sendo responsáveis ​​por mais de nove entre 10 crianças com atraso no crescimento e mais de nove entre 10 crianças com debilitação em todo o mundo.

Menores com debilitação são aqueles que sofrem de desnutrição aguda, marcados pelo fato de estarem abaixo do peso para sua altura. 

No sul da Ásia e na África Subsaariana, uma em cada três crianças é raquítica.

Principais fatos e números

  • Número de pessoas com fome no mundo em 2018: 821,6 milhões (ou uma em 9 pessoas)
    • na Ásia: 513,9 milhões
    • na África: 256,1 milhões
    • na América Latina e no Caribe: 42,5 milhões
  • Número de insegurança alimentar moderada ou grave: 2 bilhões (26,4%)
  • Bebês que nasceram abaixo do peso: 20,5 milhões (um em sete)
  • Crianças menores de cinco anos afetadas por estatura baixa (baixa estatura para idade): 148,9 milhões (21,9%)
  • Crianças menores de 5 anos afetadas por “desperdício” (peso baixo em relação à altura): 49,5 milhões (7,3%)
  • Crianças com menos de cinco anos que estão acima do peso (alto peso por altura): 40 milhões (5,9%)

Lusófonos

Kepple destacou que países como Angola e Moçambique apresentaram melhoras nos índices.

“Nos últimos 12 anos, vamos dizer, a prevalência da subalimentação em Angola caiu pela metade, de 55% para 25% da população e em Moçambique também, a prevalência da subalimentação caiu nesse mesmo período, de 37% para 28%. Ou seja, em ambos os países a tendência é positiva, porém, a situação continua preocupante.  Em Cabo Verde e no Brasil a situação é melhor. Em Cabo Verde a fome atingiu 13% da população e menos de 2,5% da população no Brasil.”

Obesidade

O relatório também traz esse ano um alerta sobre o sobrepeso e a obesidade, que continuam a aumentar em todas as regiões, particularmente entre crianças em idade escolar e adultos. Em 2018, a estimativa é de que 40 milhões de crianças menores de cinco anos estavam acima do peso.

Levando em consideração os dados apontados pelo estudo, Kepple acredita que os desafios são grandes, mas que o alcance da Fome Zero até 2030 não é impossível.

“De fato precisamos redobrar as forças no combate à fome, mas é possível sim. Não que seja simples em face aos desafios colocados pelas mudanças climáticas, os conflitos no mundo e os desequilíbrios de poder e as desigualdades. Mas é preciso elucidar e resolver as causas básicas da fome. São necessárias políticas e transformações estruturais pró-pobre, que protejam e empoderem as populações menos abastecidas e mais vulneráveis.

Para Kepple, é preciso reconhecer que “todos se beneficiam de uma sociedade sem fome, todos prosperam”.

O lançamento do relatório foi feito pela FAO, a Organização Mundial da Saúde, OMS, a Agência da ONU para Refugiados, Acnur, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, o Programa Mundial de Alimentação, PMA, e o Escritório das Nações Unidas de Assistência Humanitária, Ocha. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Agências humanitárias da ONU fazem apelo pela eliminação da desnutrição infantil

Em declaração conjunta agências destacam que todos anos Nações Unidas fornecem serviços necessários para recuperação de 10 milhões de crianças com desnutrição aguda; comunicado antecede lançamento de relatório sobre Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo. 

RD Congo: ONU triplica ajuda para responder à segunda maior crise alimentar do mundo

Cerca de 13 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar em todo o país; número inclui 5 milhões de crianças com subnutrição aguda; país dos Grandes Lagos também regista surto de ebola e confrontos étnicos.