Agências humanitárias da ONU fazem apelo pela eliminação da desnutrição infantil
BR

14 julho 2019

Em declaração conjunta agências destacam que todos anos Nações Unidas fornecem serviços necessários para recuperação de 10 milhões de crianças com desnutrição aguda; comunicado antecede lançamento de relatório sobre Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo. 

Após décadas de queda, o número de pessoas com fome no mundo aumentou nos últimos anos. Em declaração conjunta, agências humanitárias da ONU destacam que “agora elas são 820 milhões”. 

O comunicado aponta também que quase 50 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade são “desperdiçadas”, ou seja, são menores que sofrem de desnutrição aguda, marcados pelo fato de estarem abaixo do peso para sua altura. 

ONU: 149 milhões de crianças têm o desenvolvimento e crescimento atrofiados, causados pela desnutrição., by Foto: Unicef/Andrea Campeanu

Agências

Fora isso, 149 milhões de crianças têm o desenvolvimento e crescimento atrofiados, causados pela desnutrição.

A declaração foi feita pelos chefes da Organização das Nações Unidas para Agricultura  e Alimentação, FAO, da Organização Mundial da Saúde, OMS, da Agência da ONU para Refugiados, Acnur, do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, do Programa Mundial de Alimentação, PMA e do Escritório das Nações Unidas de Assistência Humanitária, Ocha. 

Trabalho

Eles disseram que como responsáveis pelas agências, todos já olharam para “o olhar vazio e o corpo quase sem vida de uma criança severamente desnutrida, cuja respiração sempre tão fraca é muitas vezes o único sinal de vida.” 

Os representantes observaram ainda que todos já foram “profundamente afetados quando uma criança não pôde ser salva.” No entanto, todos também testemunharam “o trabalho incansável que os funcionários e os parceiros das Nações Unidas fazem todos os dias, muitas vezes em ambientes perigosos, para que as crianças à beira da morte possam se recuperar e que menores com fome, com falta de alimentos nutritivos, nunca cheguem a esse nível.”

Serviços

O comunicado lembra que todos os anos, as Nações Unidas fornecem os serviços necessários para a recuperação de 10 milhões de crianças com desnutrição aguda. Estes incluem tratamentos nutricional e para infecções como doenças causadoras de diarreia, serviços de higiene e saneamento, e acesso a água limpa e dietas nutritivas necessárias para o crescimento saudável. 

Cerca de dois milhões de mulheres grávidas desnutridas e novas mães também recebem suplementação alimentar para melhorar sua nutrição e a do bebê.

Além disso, as Nações Unidas apóiam milhões de outras crianças todos os anos para que elas não fiquem desnutridas. Para isso, é realizado um trabalho de promoção, proteção e apoio à amamentação e ao acesso adequado a uma dieta saudável e nutritiva em todos os momentos.

As agências da ONU destacaram que para muitas crianças, a desnutrição começa no útero. , by Foto: Unicef/Campeanu

Desnutrição

As agências da ONU destacaram que para muitas crianças, a desnutrição começa no útero porque as mães não conseguem ter acesso às dietas saudáveis ​​de que precisam. Os menores que sobrevivem a essas gravidezes de risco e aos primeiros meses críticos de vida têm maior probabilidade de ter algum tipo de desnutrição. 

Fora isso, a declaração adiciona que “é muito mais provável que estas crianças morram antes dos 5 anos de idade porque a sua imunidade às infecções é enfraquecida pela falta de nutrientes.”

Aqueles que sobrevivem podem ter o crescimento e desenvolvimento mental afetados. Em muitos casos, seu desenvolvimento cognitivo é permanentemente prejudicado, e eles têm um desempenho pior na escola e são menos produtivos quando adultos. 

Pobreza

Estas crianças também têm um risco maior de viver uma vida na pobreza, o que significa que seus filhos terão maior probabilidade de sofrer o mesmo destino. Para os chefes das agências, “quebrar o ciclo de transmissão intergeracional da desnutrição é fundamental para erradicar a desnutrição em todas as suas formas e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030.”

A declaração conjunta destaca que as Nações Unidas estão trabalhando para implementar uma resposta mais unificada. Para chamar a atenção para o crescente problema da desnutrição e unir a comunidade internacional para uma resposta integrada, a ONU lançará nesta segunda-feira, dia 15 de junho, o relatório o Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo. 

Objetivo

O objetivo é compartilhar as informações mais recentes sobre o número de pessoas que sofrem com a fome e, principalmente, o número de crianças  que continuam desnutridas.

O comunicado lembra ainda o valor do investimento na luta contra o problema. De acordo com as agências da ONU, para cada dólar gasto na prevenção da desnutrição infantil, há um retorno de US$16 na redução dos custos de saúde e aumento da produtividade.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

RD Congo: ONU triplica ajuda para responder à segunda maior crise alimentar do mundo

Cerca de 13 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar em todo o país; número inclui 5 milhões de crianças com subnutrição aguda; país dos Grandes Lagos também regista surto de ebola e confrontos étnicos.

Emergência humanitária no Sahel atinge nível sem precedentes

Agências da ONU e Organizações Não Governamentais alertam que aumento de violência armada impulsionou deslocamento forçado e a emergência humanitária; no ano passado, cerca de 1 milhão de pessoas tiveram que fugir de suas casas.