Guterres cita “luta contra o tempo” no Conselho de Segurança ao falar da Líbia 
BR

8 julho 2020

Secretário-geral lembrou Conferência Internacional de Berlim, realizada há seis meses, e o compromisso de países para resolver crise política e violência; dezenas de milhares de líbios fogem do conflito; reunião foi presidida pelo ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas.

O Conselho de Segurança da ONU realizou uma reunião virtual sobre a crise política na Líbia. O país enfrenta a intensificação de um conflito entre tropas do governo e as forças opositoras do comandante Khalifa Haftar.

O encontro foi dirigido por Heiko Maas, ministro do Exterior da Alemanha, que ocupada a presidência rotativa do Conselho ao lado da França.

Escola atingida pelo conflito na Líbia.
Escola atingida pelo conflito na Líbia., by ONU Líbia

Resolução

Em seu discurso, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que existe uma luta contra o tempo ao descrever a situação no país árabe. Dezenas de milhares de pessoas estão fugindo de suas casas para escapar da violência em meio a um aumento de casos da Covid-19.

Guterres lembrou que a comunidade internacional se comprometeu, há seis meses, a ajudar a solucionar a crise líbia, durante a Conferência Internacional, em Berlim. A reunião pedia que os países aderissem aos princípios da resolução 2510 do Conselho de Segurança sobre o tema.

O chefe da ONU afirmou que o conflito está numa nova fase e que a interferência estrangeira atingiu níveis sem precedente.  Estão sendo utilizadas novas e sofisticadas armas assim como mercenários.  Ele disse ao Conselho que é hora de os países acabarem com o impasse político para solucionar o conflito. 

Aeronaves não-identificadas

Guterres contou que está muito preocupado com o aumento da presença militar na cidade mediterrânea de Sirte assim como a subida do nível de interferência estrangeira em violação ao embargo de armas imposto pela ONU, resoluções do Conselho de Segurança e compromissos assumidos pelos próprios países em Berlim. 

No último dia 5, aeronaves não-identificadas atacaram a base aérea de Al-Wutiya.

A Missão da ONU na Líbia, Unsmil, quer criar uma zona desmilitarizada para tentar conter a situação e salvar vidas.

Contingentes militares do Governo de Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês) tentaram avançar em direção ao leste da Líbia contra as forças do Exército Nacional Líbio, do comandante Khalifa Haftar. Desde meados de junho, a situação está relativamente calma, segundo Guterres.

 Vista aérea de Trípoli, capital da Líbia.
Vista aérea de Trípoli, capital da Líbia, ONU/Abel Kavanagh

Covid-19

Mesmo assim, quase 30 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas devido aos combates em Trípoli e nos arredores da capital. Ao todo, haveria mais de 400 mil deslocados internos na Líbia.

O secretário-geral da ONU citou ainda um aumento de 700% em casos de Covid-19 no mês de junho. Pelo menos 32 pessoas perderam a vida para a pandemia.

Guterres diz que continuará atuando para um cessar-fogo integral na Líbia e pela retomada do processo político que acabe com a crise. Ele lembrou que o país vive o fracasso da economia mesmo tendo grandes reservas de petróleo.

Conversações de paz

Ele finalizou dizendo que a ONU está pronta para ajudar a Líbia a investigar uma descoberta de valas comuns na cidade de Tarhouna, a 100 km do sudeste da capital, quando as forças do GNA retomaram o local. Tarhouna estava sob controle das tropas do comandante Haftar.

Nos últimos dias o secretário-geral falou ao telefone em chamadas separadas com Haftar e com o primeiro-ministro da Líbia, Faiez Mustafa Serraj, pedindo um retorno às conversações de paz.

O chefe da ONU pediu cautela ao governo que está conclamando eleições nacionais. Segundo Guterres o país está numa situação frágil com a situação das urnas e dos desdobramentos militares assim como apoios externos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud