Conselho de Segurança renova último mandato de missão política na Guiné-Bissau
BR

28 fevereiro 2020

Resolução expressa preocupação com situação atual; órgão quer que partes envolvidas se abstenham de ações e declarações para atrapalhar processo político; Uniogbis foi criada em 1999 com o Escritório de Apoio à Construção da Paz da ONU na Guiné-Bissau.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou esta sexta-feira por unanimidade a extensão do mandato do Escritório Integrado de Construção da Paz da ONU na Guiné-Bissau, Uniogbis, até 31 de dezembro.

A resolução 2512/2020 prevê que a missão política termine o mandato em território guineense este ano. Em 1999, a ONU iniciou as operações nesse formato com o então Escritório de Apoio à Construção da Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau.

Prorrogação

O projeto de resolução foi elaborado pelo Níger. Em discurso no Conselho, o embaixador nigerino junto à organização, Adbou Abarry, falou da preocupação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Cedeao, com a atual situação política.

Ele destacou que a prorrogação do mandato até ao fim do ano envia um bom sinal ao povo da Guiné-Bissau e pediu “um jogo limpo” aos políticos.

Dois meses após a segunda volta das eleições presidenciais, ainda se aguarda o desfecho do processo eleitoral.

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, Paigc, reclamou sobre irregularidades ao Supremo Tribunal de Justiça. A instituição deu ordens à Comissão Nacional Eleitoral, CNE, para a recontagem dos votos. O Paigc defende que as autoridades eleitorais não cumpriram totalmente as ordens judiciais.

Nesta quinta-feira, agências de notícias informaram que ocorreu uma “cerimônia simbólica” de tomada de posse do candidato Umaro Sissoco Embaló, declarado pela CNE como vencedor da eleição.

Tensões

Na resolução, o Conselho revela preocupação com a situação política e apela aos envolvidos que se abstenham de “ações e declarações que possam atrapalhar o processo político, aumentar tensões ou incitar discriminação, ódio ou violência”.

O documento destaca que o órgão está disposto a tomar as medidas apropriadas para responder a novos eventos. A resolução destaca ainda o compromisso do órgão em fazer uma possível avaliação das sanções, com base nas recomendações do relatório do secretário-geral.

Nos próximos cinco meses, um informe do chefe das Nações Unidas deve incluir dados sobre a implementação desta resolução, o processo de levantamento a ser feito e a transição do Uniogbis.

A resolução incentiva o apoio internacional aos esforços da Guiné-Bissau para abordar as causas profundas da instabilidade no processo de transição, a criação de uma plataforma para análise conjunta e compreensão dos desafios do país.

Defesa e Segurança

O Conselho incentiva o governo a implementar reformas da Constituição, da Lei Eleitoral, do Quadro Legal sobre Partidos Políticos, do setor de defesa e segurança e da justiça.

A resolução apoia os esforços contínuos do governo da Guiné-Bissau para garantir um eficaz controle civil e supervisão de forças de segurança destaca que é importante continuar nessa direção para garantir o funcionamento das instituições.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU aponta desafios do processo pós-eleitoral na Guiné-Bissau

Conselho de Segurança ouviu representante especial do secretário-geral ao país de língua portuguesa, que citou “profunda desconfiança” entre políticos; Rosine Sori-Coulibaly pediu apoio da comunidade internacional enquanto país aguarda desfecho de eleição presidencial.

Chefe da ONU diz esperar, com serenidade, conclusão do processo eleitoral na Guiné-Bissau após votação de dezembro

António Guterres respondeu a jornalista durante entrevista coletiva em Adis Abeba, onde participa do Encontro de Cúpula da União Africana; após Comissão Eleitoral do país lusófono ter declarado vencedor, Umaro Sissoco Embaló, Supremo Tribunal do país pediu que resultado fosse reexaminado antes de uma declaração final; chefe da ONU também elogiou esforços de Angola na mediação política dos Grandes Lagos; logo depois, ele participou de apresentação de livro sobre mulheres defensoras da paz.