Seis meses após ciclone Idai, Moçambique precisa de mais US$ 398 milhões para apoiar afetados por crises

14 setembro 2019

Necessidades agravadas por secas e inundações consecutivas podem prejudicar próximas colheitas; pelo menos 2 milhões de pessoas podem enfrentar graves níveis de insegurança alimentar até março.*

Na noite de 14 para 15 de março, Moçambique foi assolado pelo ciclone Idai que matou mais de 600 pessoas, provocou mais de 1.641 feridos e causou danos de cerca de US$ 773 milhões.

Seis meses depois, pretendem mais US$ 398 milhões para apoiar a população afetada pelo ciclone mais forte ocorrido no oeste de África em 20 anos e também do ciclone Kenneth que passou pelo país seis semanas depois.

Nas áreas afetadas pelos ciclones Idai e Kenneth, mais de 80% da população é dependente da agricultura como fonte primária de renda. Foto: Acnur/ Luiz Fernando Godinho

Insegurança Alimentar

As necessidades agravadas por secas e inundações consecutivas podem prejudicar a colheita de março de 2020. Cerca de 2 milhões de pessoas podem enfrentar graves níveis de insegurança alimentar.

As Nações Unidas e os parceiros humanitários, em apoio ao Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, Ingc, querem atender às necessidades dos afetados pelas crises climáticas do último ano, incluindo os dois ciclones, secas e inundações.

Um Plano revisto de Resposta Humanitária, HRP, para Moçambique foi apresentado em Maputo pela coordenadora Humanitária para Moçambique, Myrta Kaulard, que apelou ao envolvimento de todos.

Veja aqui a entrevista da representante do Programa Mundial de Alimentação, PMA, Karin Manente, sobre a resposta passados seis meses: 

Colheita

A representante destacou que apesar de progressos notáveis na resposta aos ciclones, ainda existem áreas em que o acesso a água potável e assistência médica continua sendo um desafio. Afirmou ainda que também são necessários reparos urgentes em casas e escolas.

Com apenas 42% do apelo inicial financiado, até 2 milhões de pessoas podem enfrentar graves níveis de insegurança alimentar entre este setembro e a próxima colheita prevista para março de 2020.

Nas áreas afetadas pelos ciclones Idai e Kenneth, mais de 80% da população é dependente da agricultura como fonte primária de renda. Muitas pessoas perderam colheitas, terras e sementes de plantio.

Unicef/UN0293297/DE WET
Crianças numa estrada de Búzi, em Moçambique, danificada pelo ciclone Idai

Apoio

Às vésperas da Cúpula do Clima em Nova Iorque, Myrta Kaulard, exortou a comunidade internacional a apoiar o povo de Moçambique.

A representante enfatizou que mulheres e crianças, especialmente as que vivem nos locais de reassentamento, precisam percorrer longas distâncias para buscar água, recolher madeira para cozinha e procurar serviços de saúde.

O Plano de Resposta Humanitária para Moçambique abrange o período até maio de 2020.

 

De Maputo para ONU News, Ouri Pota  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unodc é a nova agência das Nações Unidas com escritório em Moçambique

Agência das Nações Unidas sobre Drogas e Crime vai prestar assistência técnica e legislativa ao país; governo aponta crime organizado, com  narcotráfico, tráfico de pessoas e lavagem de dinheiro, como um dos grandes desafios. 

Unicef recebe apoio para financiar registos de nascimento e identificação civil em Moçambique

Mais de 60% das crianças menores de um ano ainda não estão registadas no país; fundos doados pela Noruega devem ajudar a fazer registo em centros de saúde; cerca de 250 líderes comunitários serão capacitados sobre o tema na província de Niassa.*