ONU alerta para mortes e prisões arbitrárias em Mianmar 
BR

16 março 2021

Escritório da alta comissária para os Direitos Humanos confirmou morte de 149 pessoas desde 1 de fevereiro, como resultado da violência a manifestantes pacíficos; crise política puxou alta no preço dos alimentos e do combustível.  

A crise política em Mianmar, que sofre uma intervenção militar deste 1 de fevereiro, foi agravada com mais mortos em protestos de rua.  

Pelo menos 149 pessoas foram vítimas da força letal a manifestantes pacíficos. O país do sudeste da Ásia mantém presos a líder da oposição e Prêmio Nobel de Paz, Aung San Suu Kyi, e vários ministros de Estado. 

Relatos 

A informação foi confirmada pela porta-voz do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, Ravina Shamdasani. Segundo ela, o Escritório recebeu ainda relatos “angustiantes” de casos de tortura sob custódia. 

Unsplash/Matteo Massimi
ONU lembrou que os militares devem proteger manifestantes pacíficos, ao abrigo da lei internacional

Centenas de pessoas detidas ilegalmente continuam desaparecidas, o que equivale a desaparecimentos forçados. 

De Genebra, a porta-voz contou que “confirmar informações está se tornando cada vez mais difícil, especialmente com a imposição da lei marcial em vários municípios em Yangon, Mandalay e arredores.” 

Classe trabalhadora 

Além disso, muitos dos bairros da classe trabalhadora, onde houve mortes, estão isolados e sem comunicação. 

Apesar dessas dificuldades, o Escritório de Direitos Humanos conseguiu confirmar as 149 mortes desde 1 de fevereiro, como resultado do uso ilegal da força letal a manifestantes pacíficos. 

Pelo menos 11 pessoas morreram nesta segunda-feira e 57 no fim de semana. Mas o número de vítimas fatais pode ser mais alto porque muitos relatos ainda não foram confirmados. 

As autoridades militares impuseram estado de sítio em vários distritos de Yangon e Mandalai. Os toques de recolher são mais rígidos com infratores julgados em tribunais militares sem direito à apelação. 

Jornalistas 

Pelo menos 2.084 pessoas foram detidas incluindo 37 jornalistas, dos quais 19 permanecem presos. 

Pelo menos cinco mortes sob custódia ocorreram nas últimas semanas, com os corpos de duas vítimas mostrando sinais de abuso físico grave, indicando tortura. 

A porta-voz disse que o Escritório está “profundamente perturbado” com a situação e pediu, mais uma vez, que os militares parem de matar e deter os manifestantes.  

Já o Programa Mundial de Alimentos, PMA, alertou, esta terça-feira, para o aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis no país.  

Em comunicado, o diretor do PMA em Mianmar, Stephen Anderson, disse que “esses sinais iniciais são preocupantes, especialmente para as pessoas mais vulneráveis ​”. 

O PMA também notou um aumento de 15% no custo do combustível. No norte de Rakhine, o preço da gasolina aumentou 33% e o do diesel 29%. 

Unicef/Minzayar Oo
No início de 2021, cerca de 1 milhão de pessoas em Mianmar precisava de ajuda humanitária e proteção

Crise 

Esses aumentos são agravados pela quase paralisia do setor bancário, desaceleração nas remessas e limites de disponibilidade de dinheiro. 

Nesse momento, o PMA está construindo um estoque de alimentos de contingência para garantir que as distribuições mensais de alimentos e dinheiro continuem chegando a mais de 360 mil pessoas.  

Stephen Anderson reiterou ainda o apelo do secretário-geral para que a vontade do povo expressa nas eleições seja respeitada.  

Segundo ele, o PMA sabe “muito bem como a fome pode surgir rapidamente quando a paz e o diálogo são deixados de lado.” 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conselho de Segurança condena violência a manifestantes em Mianmar

Declaração dos 15 Estados-membros apela à libertação imediata dos detidos de forma arbitrária desde a tomada do poder por militares em 1 de fevereiro; documento reitera que é preciso abrir acesso humanitário seguro e desimpedido aos necessitados.