Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe em lista de nações sem acesso à Semana de Vacinação
BR

1 maio 2020

Países de língua portuguesa são prejudicados por medidas de combate à pandemia como fechamento de fronteiras e isolamento social; suspensão de voos no mundo levou à redução de até 80% na entrega de lotes de vacinas. 
 

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, informou que a pandemia de covid-19 está afetando gravemente a Semana de Imunização, que ocorre todos os anos contra sarampo e poliomielite. 

A agência listou 26 países que podem ser prejudicados com as medidas contra a pandemia durante esta Semana de Vacinação. Na relação estão Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe. 

Jovem nas bolanhas de Bissau. Foto: ONU News/Alexandre Soares

Aeroportos

Em comunicado a jornalistas, em Genebra, o Unicef pediu apoio para acabar com um atraso no envio de lotes de vacina por causa do fechamento de aeroportos e portos. 

No ano passado, a agência licitou 2,4 bilhões de doses de vacina para 100 nações.

 A meta era alcançar 45% de todas as crianças menores de 5 anos de idade. Mas com a pandemia, está ocorrendo uma redução de até 80% na entrega dos lotes desde o início da Semana de Vacinação em 22 de março. 

Unctad/Jan Hoffmann
Porto em São Tomé e Príncipe

Transporte

No total, 26 países correm risco de ficarem sem a imunização por causa do atraso no transporte dos lotes de vacinas. Nessa relação existem cinco nações que têm surtos de sarampo. 

Lista completa: 

Benin, Chade, Cote d’Ivoire ou Costa do Marfim, Guiné-Equatorial, Guiné-Bissau, Níger, São Tomé e Príncipe, Gana, Gâmbia, Burundi, Comoros, Eritreia, 
Eswatini, Ruanda, Zimbábue, Tadjiquistão, Turcomenistão, Butão, Nepal, Sri Lanka, Camboja, Coreia do Norte, Mongólia, Mianmar, Papua Nova-Guiné e Ilhas Salomão. 

O Unicef alertou que o preço dos voos fretados por causa da pandemia é exorbitante e chegam a 200% do valor normal. Para a agência, muitos países não têm como arcar com esses custos e as crianças que precisam da vacina contra sarampo e poliomielite ficarão descobertas. 

Unicef/Kiran Panday
A agência listou 26 países que podem ser prejudicados com as medidas contra a pandemia durante esta Semana de Vacinação.

20 milhões 

O Fundo ressalta que antes mesmo da pandemia de covid-19, cerca de 20 milhões de crianças abaixo de um ano de idade não eram imunizadas. 

O Unicef alerta que a interrupção na entrega das doses poderá levar a surtos desastrosos este ano especialmente em países com frágeis sistemas de saúde. 

O atraso no transporte das vacinas também gera um risco para os fabricantes das doses que terão que armazenar os lotes. 

O Unicef está atuando com parceiros e fabricantes de vacinas para estudar soluções para o transporte. Entre eles estão Aliança Gavi, Fundação Bill and Melinda Gates e a Organização Pan-Americana da Saúde.  

A agência da ONU pediu a governos, às empresas aéreas e ao setor privado que liberem as aeronaves e os voos a um preço acessível para a entrega das vacinas, uma vez que a vida das crianças está sob risco.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS alerta para possíveis impactos de combate à pandemia sobre malária e imunização

Número de crianças que não são vacinadas deve aumentar esse ano e mortes por malária podem duplicar na África Subsaariana; até segunda-feira, tinham sido confirmados mais de 2,8 milhões de casos e mais de 196 mil mortes por covid-19; pela primeira vez, briefing da agência teve tradução simultânea para português.

Mesmo com poucos casos, Guiné-Bissau deve seguir vigilante contra covid-19, diz OIM

Com 40 notificações até 14 de abril, país de língua portuguesa é um dos menos afetados no oeste da África; agência da ONU diz que várias nações da região já iniciaram enfrentamento à pandemia.