Crianças na República Democrática do Congo sob risco de sarampo e epidemia de cólera
BR

31 março 2020

Novo relatório afirma que covid-19 piora situação que já era difícil; desde o início de 2019, epidemia de sarampo do mundo já matou mais de 5,3 mil crianças com menos de cinco anos; malária causou quase 17 mil mortes

O sistema de saúde da República Democrática do Congo precisa de apoio urgente, enquanto luta contra as epidemias de sarampo e cólera e a ameaça crescente do novo coronavírus. 

Um relatório divulgado esta terça-feira pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, informa que os esforços para conter o surto de Ebola desviaram atenção e recursos de unidades de saúde enfraquecidas.

Funcionários de saúde em centro de tratamento do ebola em Katwa, na RD Congo, by Foto ONU/Martine Perret

Ameaças 

Desde o início de 2019, a maior epidemia de sarampo do mundo matou mais de 5,3 mil crianças com menos de cinco anos no país. Ao mesmo tempo, existem cerca de 31 mil casos de cólera.

Nas últimas semanas, os casos de covid-19 estão aumentando rapidamente, trazendo um grande desafio para um país considerado de maior risco na África.

Segundo o relatório, equipamentos, profissionais e fundos estão em falta em centros públicos de saúde. Muitas instalações ainda não têm água potável e saneamento. As taxas de imunização, que já eram baixas, caíram de forma acentuada em algumas províncias. 

Estima-se que 3,3 milhões de crianças têm necessidades vitais de saúde que não estão sendo atendidas. Cerca de 9,1 milhões de crianças, quase uma em cada cinco pessoas com menos de 18 anos, precisam de assistência humanitária.

Muitas das crianças mais vulneráveis vivem em três províncias do leste afetadas por conflitos e pelo surto de Ebola. Violência brutal de milícias, incluindo ataques a centros de saúde, obrigou quase um milhão de pessoas a abandonar suas casas apenas em 2019. 

Conclusões

Segundo o relatório, cerca de 16,5 milhões de casos de malária foram relatados em 2019, causando quase 17 mil mortes. Crianças com menos de 5 anos de idade são as mais afetadas.

Os casos de sarampo aumentaram entre 2019 e 2020, atingindo 332 mil crianças em todo o país, tornando-o o pior surto da história do país. Das mais de 6,2 mil mortes registradas, cerca de 85% eram crianças com menos de cinco anos.

A cólera é uma situação permanente, consequência das condições precárias de saneamento e da água suja da qual muitas famílias dependem para beber e lavar. A doença matou cerca de 540 pessoas, quase metade dos casos eram crianças. 

Apelo

Em nota, o representante do Unicef, Edouard Beigbeder, afirma que "fortalecer o sistema de saúde básico é absolutamente vital." Segundo ele, "se os serviços de saúde não tiverem meios para fornecer imunização, nutrição e outros serviços essenciais, inclusive em áreas remotas, existe o risco de ver a vida e o futuro de muitas crianças congolesas destruídas por doenças evitáveis".

No relatório, o Unicef pede ao governo que dedique mais do seu orçamento para serviços de saúde que apoiam mulheres grávidas, recém-nascidos e crianças pequenas. Também pede prioridade para o fortalecimento da imunização.

A agência da ONU também apela aos doadores internacionais, dizendo que é preciso proteger melhor as crianças contra doenças transmissíveis.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Última paciente de ebola deixa centro de tratamento na RD Congo

OMS fala de esperança ao acompanhar alta de Masiko; epidemia causou mais de 2.200 mortes desde que foi declarada em agosto de 2018; agência da ONU precisa de 42 dias sem nenhum caso para notificar fim de um surto.