OMS diz que 200 remédios estão em análise para tratar novo coronavírus
BR

19 março 2020

Medicamentos já são utilizados para tratar HIV, malária e ebola; brasileira na OMS destaca que atuais medidas para conter transmissão do covid-19 devem ser estritamente cumpridas até que seja comprovada eficácia de possível tratamento ou vacina. 

Enquanto o mundo busca medidas para conter o novo coronavírus, a Organização Mundial da Saúde, OMS, informa que centenas de remédios que já são usados para tratar outras doenças virais estão sendo testados contra o covid-19. 

Segundo a diretora-geral assistente da OMS para Acesso a Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos, Mariângela Simão, esses tratamentos estão sendo usados para terapias do HIV, da malária e do ebola. Ela falou à ONU News, um dia antes de a OMS anunciar que a primeira vacina contra o covid-19 entrou em fase de testes. 

Eficácia 

Testes devem determinar se vacina é eficaz e segura, by Opas/ Joshua Cogan

“Tem vários medicamentos antivirais sendo estudados. Existem aproximadamente 200 ensaios clínicos em andamento nesse período de tempo. Alguns dos medicamentos de combate ao sida, ou HIV, eles vêm sendo utilizados nesses ensaios clínicos. Por exemplo o ritonavir, o darunavir, mas ainda não tem resultados se eles vão funcionar ou não. Existe também um outro medicamento novo que foi desenvolvido inicialmente para tratar pessoas com ebola e que acabou tendo outras opções de tratamento mais efetivas, e que também está com vários ensaios clínicos para avaliar sua eficácia. ” 

Falando à  ONU News, de Genebra, a também secretária-geral assistente das Nações Unidas  destaca que levará tempo até se declarar definitivamente se estas alternativas seriam eficientes para combater o novo coronavírus.  

Vacina  

“O que se fala agora é que várias drogas antigas estão sendo pesquisadas para um novo propósito. Também tem drogas para a malária, drogas bastante antigas, que também estão sendo estudadas nesse momento. Há que aguardar os resultados desses estudos clínicos. Mas até ao momento atual não tem nenhum estudo que mostre que este ou aquele medicamento são eficazes no combate à epidemia. Isso é importante dizer porque é importante que as medidas que a OMS tem propagado que muitos países já tomaram com relação às questões individuais de lavar as mãos, e quando possível usar o álcool, o contato com pessoas doentes.” 

A agência da ONU informou que o ibuprofeno, usado em resfriado comuns, não deve ser empregado contra o coronavírus. 

Na quarta-feira, a OMS anunciou uma iniciativa para acompanhar pequenos ensaios com diferentes metodologias sobre tratamentos que podem ajudar a salvar vidas. 

Eficazes  

A agência revelou que atua com parceiros para examinar e comparar diversos tratamentos ainda não testados. A meta é tornar essas soluções robustas e identificar quais seriam as mais eficazes. 

Para a OMS, a simplicidade do chamando ensaio solidariedade deve permitir que participem no processo hospitais de países como Argentina, Bahrein, Canadá, França, Irã, Noruega, África do Sul, Espanha, Suíça e Tailândia. 

Unsplash/Agência de Fotos do Macau
Um dos tipos de máscaras recomendado a pessoas que tenham contraído o novo coronavirus.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Covid-19: OMS divulga guia com cuidados para saúde mental durante pandemia

Organização Mundial da Saúde apresenta dicas para enfrentar consequências psicológicas e mentais do novo coronavírus; doença está gerando estresse na população afetada pelo risco de contaminação, incerteza, isolamento social e desemprego entre outros motivos; guia contempla profissionais de saúde, crianças e idosos, líderes de equipes e pessoas em quarentena.

OMS confirma que começaram testes de primeira vacina contra covid-19 

Além da imunização, Organização Mundial da Saúde lança iniciativa internacional chamada “Solidariedade” para testar tratamentos em vários países e partilhar resultados; número de casos ultrapassou 200 mil; mais de 8 mil pessoas morreram desde dezembro, quando a nova cepa do cononavírus apareceu na China.