OMS reforça aprendizado mútuo após mundo ultrapassar 5 milhões de casos de Covid-19
BR

22 maio 2020

Pelo menos 327.738 pessoas morreram até esta sexta-feira por causa da doença; briefing da agência, em Genebra, descreveu aumentos de casos no Brasil e em outros países da América do Sul como “preocupante”; especialista ressaltou que OMS não recomenda nenhum medicamento contra a pandemia por falta de estudos conclusivos sobre eficácia.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, disse que à medida que o mundo ultrapassa os 5 milhões de casos da Covid-19, é essencial consolidar a união nacional e a solidariedade global para o aprendizado mútuo e suprimir o vírus em todos os lugares.

O diretor-geral da agência, Tedros Ghebreyesus, afirmou que uma parte importante da resolução da Assembleia Mundial da Saúde, encerrada esta semana, é que além de combater a doença, os governos também precisam garantir a manutenção de serviços essenciais de saúde.

América do Sul e Brasil

Medidas de saúde pública que ajudaram a conter surtos anteriores incluem o confinamento
Estado de São Paulo, no Brasil, tem o maior número de casos de coronavírus do país., by Diogo Moreira/Governo de Sao Paulo

No briefing em Genebra, o diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, Michael Ryan, foi perguntado sobre o Brasil e uma possível negociação para que o país receba assistência da agência.

Ryan lembrou que o aumento no número de casos, que chegam a 300 mil e cerca de 20 mil mortes, a maioria observada nas regiões de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará,  Amazonas e Pernambuco. Ele informou que o Brasil está atuando em cooperação com a Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, que “assiste diretamente governos de vários estados afetados, incluindo o Amazonas”.

O especialista falou ainda de outros países sul-americanos, onde “claramente existe muita preocupação”. Mas destacou o Brasil como o mais afetado neste momento.

Hidroxicloroquina

Cientistas trabalham em testes de covid-19 na Guiana.
Cientistas trabalham em testes de covid-19 na Guiana., by ONU Guyana

Ryan mencionou ainda a recente aprovação pelas autoridades brasileiras do uso amplo do medicamento hidroxicloroquina, realçando que avaliações clínicas e sistemáticas atuais não apoiam o uso deste fármaco para a Covid-19, “até que os estudos estejam completos e haja resultados claros”.

Na ocasião, o diretor-geral da OMS destacou que quando os sistemas de saúde são sobrecarregados, as mortes por surtos e condições evitáveis e tratáveis aumentam de forma dramática. Em nível global, pelo menos 327,738 óbitos foram registrados devido à doença.

Ghebreyesus realçou que é crucial manter a confiança das pessoas na capacidade desses sistemas de fornecer serviços essenciais com segurança, para garantir que continuem a procurar atendimento quando necessário e sigam os conselhos de saúde pública.

Vacinas

A OMS destacou ainda a colaboração desde o início deste surto com o Fundo da ONU para a Infância, Unicef, para que suprimentos essenciais cheguem a profissionais da saúde, pacientes e crianças em todo o mundo".

Criança usa máscara em Joanesburgo, na África do Sul
Criança usa máscara em Joanesburgo, na África do Sul, by Unicef/Shiraaz Mohamed

No evento os diretores executivos do Unicef, Henrietta Fore,  e da Aliança Gavi de Vacinas, Seth Berkler, abordaram o impacto da Covid-19 para oferecer vacinas essenciais às crianças.

O Unicef pediu aos países que estejam preparados, inovem e pensem nas vacinas como um investimento  inteligente, estratégico e que também são uma obrigação a cumprir em favor das crianças. A preocupação da agência é com as nações mais pobres, famílias e meninas que vivam nessa situação em todos os países.

Proteção

Já o chefe da Aliança Gavi destacou que na discussão global sobre uma vacina para a Covid-19, uma das questões essenciais é como como fazer dela um bem global, e não somente para a proteção individual. 

A OMS destacou ainda a situação na África onde apesar de um aumento de infecções que em alguns países oscilou entre 50% a 100% nas últimas semanas, não tem sido observado um alto número de mortes. Esses dados baixos sobre óbitos na região são para agência um motivo de elogio.

OMS quer recursos suficientes para derrotar o novo coronavírus.
Centro de Controle e Prevenção de Doenças
OMS quer recursos suficientes para derrotar o novo coronavírus.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud