Passar para o conteúdo principal

Japão deve continuar ações de assistência a pessoas com hanseníase ou lepra BR

Atualmente, 1,1 mil pessoas vivem de forma segregada em 13 sanatórios no Japão.
UNISDR
Atualmente, 1,1 mil pessoas vivem de forma segregada em 13 sanatórios no Japão.

Japão deve continuar ações de assistência a pessoas com hanseníase ou lepra

Saúde

Em comunicado, relatora especial da ONU sobre a eliminação da discriminação contra pessoas afetadas pela lepra e seus familiares conta que 1,1 mil pessoas são obrigadas a viverem de “forma segregada”; segundo Alice Cruz, atendimento de saúde deve ser igual para todos.
 

O Governo do Japão em parceria com a sociedade civil tem dado um bom exemplo sobre a eliminação da discriminação e do preconceito com pessoas afetadas pela Hanseníase ou lepra. 

A declaração é da relatora especial* da ONU sobre o tema, Alice Cruz.

Relatora da ONU para a eliminação da discriminação das pessoas com hanseníase, Alice Cruz
Relatora da ONU para a eliminação da discriminação das pessoas com hanseníase, Alice Cruz. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Sociedade civil

Ela acaba de realizar uma visita oficial de oito dias ao Japão, onde visitou pessoas afetadas e familiares, autoridades locais, pessoal de saúde e representantes da sociedade civil.

A relatora pediu a todas as autoridades que continuem os esforços e ações sobre cooperação internacional principalmente na área de proteção dos direitos dos idosos, que vivem com hanseníase.

Alice Cruz falou sobre avanços feitos nos direitos das pessoas com a doença, que foram marginalizadas, especialmente com base nas decisões da justiça no distrito de Kumamoto, nos últimos 18 anos.

Segundo ela, o governo respondeu à voz das pessoas afetadas e reconheceu a própria responsabilidade por violações passadas desses direitos. O governo japonês também ofereceu compensação, um pedido público de desculpas e passou a tratar a hanseníase como uma questão transversal.

Mudança

Mas para a relatora, ainda existe dificuldade para se alcançar mudança contra a estigmatização das pessoas com lepra na sociedade.

Atualmente, 1,1 mil pessoas vivem de forma segregada em 13 sanatórios no Japão.

A idade média dessas pessoas é 86 anos de idade e muitos têm dificuldades físicas ou psicossociais.

Alice Cruz contou que esses pacientes de hanseníase sofreram com políticas de esterilização, de segregação forçada e foram tratados de forma desumana por causa de uma doença que se tornou curável.

Essas pessoas ainda sofrem para restaurar sua dignidade e de suas famílias. Muitos laços foram quebrados por décadas e décadas de discriminação.

Cuidados

O Japão criou programas de reparação, que para a relatora precisam ser expandidos visando uma cura eficiente. Além disso, ela sugere que o conhecimento médico e de cuidados de pessoas com hanseníase têm de ser mantidos.

Alice Cruz propõe ainda a garantia de liberdade de expressão e de capacidade legal, serviços de apoio e de aconselhamento de alta qualidade.

Uma outra preocupação da relatora é com ambientes que ajudem na reconstrução de relações familiares e com o apoio à candidatura de Nagashima para patrimônio mundial da Unesco.

A relatora afirma que os serviços de saúde e aconselhamento devem ser fornecidos de forma igual dentro e fora dos sanatórios.

Museu

Durante a viagem ao Japão, ela se reuniu com representantes de vários Ministérios, de organizações da sociedade civil, e com especialistas em direito e saúde, além de acadêmicos.

Alice Cruz também visitou o Museu da Hanseníase, o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas e sanatórios para pessoas com lepra em Tóquio e em Nagashima, onde ouviu diretamente quem vivem com a doença.

O relatório sobre a visita e as recomendações devem ser apresentados ao Conselho de Direitos Humanos em junho, em Genebra.

 

*Os relatores especiais atuam de forma independente das Nações Unidas e não recebem salário pelo seu trabalho.