Diminuem assassinatos de jornalistas em 2019, mas Unesco continua preocupada com impunidade
BR

20 janeiro 2020

Em comunicado Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura diz que 56 profissionais foram assassinados no ano passado contra 99 em 2018; América Latina e Caribe é a região mais violenta, seguida de Ásia- Pacífico e países árabes; quase 90% dos crimes permanecem impunes.

De 2010 a 2019, uma média de 90 jornalistas perderam a vida por ano totalizando 894 assassinatos de profissionais da imprensa.

Os dados são do Observatório da Unesco de Jornalistas Mortos. No ano passado, houve 56 assassinatos quase metade do ano anterior, quando 99 profissionais perderam a vida ao serem atacados.

Sede da Unesco em Paris, França. Foto: Unesco

Política local

Segundo a Unesco, a média anual de 2019 é a mais baixa em mais de uma década. A violência a profissionais de mídia e imprensa ocorre em todas as partes do globo.

A América Latina e o Caribe é a região com o maior número de mortes seguida da Ásia-Pacífico e dos países árabes.

O relatório revela que a maioria dos profissionais morreu em áreas de conflito e guerra. Eles não estão somente expostos a riscos extremos quando cobrem esses eventos, mas também são atacados quando escrevem sobre política local, corrupção e crimes, quase sempre em suas cidades natais.

Dos assassinatos ocorridos no ano passado, 61% foram em países que não estavam em conflito. A cifra equivale ao dobro de casos, registrados em 2014, e representa uma alta acentuada se comparada aos últimos anos.

Campanha

Para a Unesco, a tendência é preocupante. No ano passado, a agência da ONU lançou uma campanha #DeixeaVerdadeViva ou #KeepTruthAlive, em inglês, para marcar o Dia Internacional para Acabar com Crimes contra Jornalistas.

Um outro relatório, divulgado em 2019, sugere que os jornalistas estão sofrendo, cada vez mais, ataques verbais e físicos por causa de seu trabalho.

 O documento Ataques Intensificados, Novas Defesas mostra o aumento no número de prisões, sequestros e violência física assim como da retórica hostil a mídia e a jornalistas. Especialmente, as profissionais mulheres são alvo de assédio pela internet e violência de gênero.

O objetivo das ameaças a jornalistas é silenciar as críticas e o acesso do público à informação. 

Foto ONU/Laura Jarriel
Jornalistas cobrem debate da Assembleia Geral

Impunidade

O relatório mostra ainda que poucos crimes são levados à justiça com punição dos autores.

As taxas de impunidade são de quase 90%. Menos de um em cada oito casos registrados pela Unesco desde 2006 foi dado como encerrado.

A diretora-geral da agência disse que a Unesco permanece “profundamente perturbada com a violência dirigida a muitos jornalistas ao redor do mundo.” Para ela, enquanto essa situação durar, o debate democrático estará minado.

A ONU tem um Plano de Ação sobre a Proteção de Jornalistas e a Questão da Impunidade. O objetivo é melhorar a segurança dos profissionais e combater a falta de punição para crimes cometidos contra eles.

 

Para ler o documento em português, acesse:  https://en.unesco.org/sites/default/files/un-plan-on-safety-journalists_po.pdf

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Parceria da ONU com Universidade dos EUA ajuda jornalistas a relatar casos de violência de gênero

Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, examinou reportagens sobre membros da comunidade Yazidi, que sofreram abusos; especialistas falam sobre consequências; muitas mulheres denunciaram os crimes esperando prestação de contas, mas outras tiveram receio de que a exposição lhes causasse ainda mais danos.

Relatora diz que sentença do caso Jamal Khashoggi não fez justiça ao jornalista

Agnes Callamard, relatora especial sobre execuções, extrajudiciais, sumárias e arbitrárias, expressou “choque em dobro” com o veredicto que condenou cinco pessoas da Arábia Saudita à morte; todos foram acusados de matar o jornalista dentro do Consulado saudita em Istambul, na Turquia; especialista criticou “julgamento secreto”.