Após 20 anos de referendo de autonomia, Timor-Leste aposta na educação

7 agosto 2019

Cerca de 70% da população timorense é composta por jovens menores de 25 anos; Nações Unidas reiteram cooperação com o país em áreas que incluem educação, capacitação para desenvolvimento vocacional e combate ao desemprego; brasileiro Sérgio Vieira de Mello coordenou período de transição para autonomia.

No fim deste mês é registado um marco importante da cooperação entre Timor-Leste e as Nações Unidas. No próximo dia 30 de agosto completam-se 20 anos após a realização de uma consulta popular apoiada pela ONU, na qual os timorenses escolheram a autodeterminação.

Falando recentemente à ONU News, em Nova Iorque, o coordenador residente das Nações Unidas no Timor-Leste contou que a organização atua com governo e parceiros para que o país avance em áreas como serviços, economia, proteção civil e mudança climática.

Aposta 

Roy Trivedy destaca que dos cerca de 1.170 milhão de habitantes do Timor-Leste, aproximadamente 70% são jovens com menos de 25 anos. Atualmente, a aposta é investir na educação, no desenvolvimento vocacional e no combate ao desemprego.

Coordenador residente da ONU em Timor-Leste, Roy Trivedy. , by ONU News

“Temos muitas pessoas que não têm empregos na área da economia formal. Então, é uma prioridade muito grande. A outra prioridade é melhorar a qualidade de serviços na educação, que é muito baixa. O governo tem como prioridade melhorar essa área e também os serviços no setor da saúde e etc.”

Esta semana, um grupo de especialistas das Nações Unidas visita o país para preparar o quadro de cooperação para o desenvolvimento para o período de 2020 a 2024.

No processo que culminou com a autodeterminação timorense, em maio de 2002, a comunidade internacional também teve um forte envolvimento juntamente com redes de solidariedade criadas em todo o globo.

Sérgio Vieira de Mello

Uma das maiores demonstrações de apoio à autonomia de Timor-Leste veio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp. Portugal, Brasil e países lusófonos africanos fizeram parte de várias missões internacionais que  ainda desenvolvem iniciativas como a implantação e ensino da língua portuguesa no país do Sudeste Asiático.

O brasileiro Sérgio Vieira de Mello coordenou os trabalhos de reconstrução nacional após o conflito entre Timor-Leste e a Indonésia. Ele liderou ainda o processo que permitiu a formação do governo e do sistema de produção que garantiu a construção de “um futuro democrático e economicamente inclusivo” no país.

Sérgio Vieira de Mello dirigiu a Administração Transitória das Nações Unidas em Timor-Leste, Untated, que foi criada em outubro de 1999 com o mandato de organizar a entrega do poder ao povo timorense.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Timor-Leste destaca esperança na cooperação com Cplp para atingir ODSs

Ministro para Reforma Legislativa e Assuntos Parlamentares sugere reflexão sobre  objetivos das independências para manter foco no progresso; Fidelis Manuel Leite Magalhães quer mais espaço para debater desenvolvimento e financiamento.

Em Timor-Leste, rendimento das famílias cresceu mais do que o dobro em 14 anos

Novo relatório destaca que esse desempenho foi observado entre 2002 e 2016; estímulo foi dado pelos setores de construção e serviços públicos; estudo recomenda investimento no capital humano e diversificação da economia.