Em Timor-Leste, rendimento das famílias cresceu mais do que o dobro em 14 anos

12 julho 2019

Novo relatório destaca que esse desempenho foi observado entre 2002 e 2016; estímulo foi dado pelos setores de construção e serviços públicos; estudo recomenda investimento no capital humano e diversificação da economia.

Timor-Leste  revelou esta sexta-feira o conteúdo do Relatório Nacional Voluntário sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O documento a ser oficialmente apresentado aos países-membros na próxima semana aponta um crescimento considerável da economia do país nos últimos 20 anos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Dionísio Babo, disse à ONU News que o país tem sabido ultrapassar as dificuldades após o conflito prolongado e o processo de restauração da independência.

Ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste, Dionísio Babo. Foto: Reprodução/ONU News

Sinceridade

“Nesse relatório, pretendemos fazer um relato honesto. Este é o primeiro relatório. Pretendemos, com toda a honestidade, incluir e envolver toda a camada da nossa sociedade, incluindo mulheres, pessoas com deficiência e ver um balanço no aspeto do género. Apresentamos toda a sinceridade a avanço célere que o país tem alcançado para alcançar um objetivo de acordo com o que o pais aspira. ”

O documento “Das cinzas à reconciliação, reconstrução e desenvolvimento sustentável” revela que  o Produto Interno Bruto, PIB, real per capita (por pessoa) foi mais que o dobro entre 2002 e 2016.

O impulso ao crescimento da economia deveu-se à despesa pública que deu estímulo aos setores de construção e serviços públicos. O chefe da diplomacia timorense contou que esse percurso económico reflete lições aprendidas com o passar do tempo.

“Timor-Leste de hoje é um Timor-Leste que está preparado para competir, regionalmente e também internacionalmente. Timor-Leste de hoje tem vindo a progredir com os seus próprios erros. Também usamos todas as oportunidades que temos para poder ultrapassar a situação em que tínhamos estado há muitos anos atrás. Por exemplo, até 2016 temos registado um crescimento a dois dígitos do crescimento económico.”

ONU/Martine Perret
Mães com as suas crianças na vila de Asulau, em Timor-Leste.

Trabalho

Entre 2010 e 2015, o emprego aumentou a uma taxa de 4,8%, criando 41.637 novos postos de trabalho na economia.

O relatório destaca ainda a posição financeira forte do país a curto e médio prazos para investir em capital humano e promover a diversificação da economia. O estudo destaca o sucesso na gestão de recursos naturais como o petróleo e o gás para as gerações futuras através do seu Fundo Petrolífero.

Em 2017, esse fundo soberano esteve em 88º lugar dentre as 100 posições do Índice de Governação de Recursos de 2017.

O documento destaca ainda que as dinâmicas da migração são importantes para os timorenses numa economia que permite o acesso dos timorenses ao ensino superior e à procura de oportunidades de emprego.

ONU News
No Timor-Leste, mais de 70% da população pratica a agricultura e depende desse setor para seu sustento.

Iniciativa

Mas o setor de emprego é o que está entre os mais importantes entre os desafios atuais. Não há empregos formais suficientes para atender ao grande número de pessoas que pretendem entrar no mercado de trabalho, destaca o estudo.

Em 2013, 21,9% dos jovens entre 15 e 24 anos estavam desempregados e mais de um quarto dos jovens de sexo masculino e 16,7% do sexo feminino se encontravam nessa situação.

Apesar da explosão no setor privado em Timor-Leste, este ainda não consegue gerar empregos suficientes e impulsionar novas áreas de crescimento da economia.

Mais de 70% da população pratica a agricultura e depende desse setor para seu sustento. Uma das recomendações é que este setor seja desenvolvido para permitir uma maior colaboração no crescimento económico. A agricultura contribui com 17% do PIB não petrolífero de Timor-Leste.

O estudo recomenda ainda que seja reforçada a eficiência, a transparência e a equidade na oferta de serviços públicos tais como saúde e educação. A reforma da administração pública também pode ajudar a melhorar a prestação de serviços e reduzir a pobreza, segundo o relatório.

ONU/Martine Perret
Em Timor-Leste, não há empregos formais suficientes para atender ao grande número de pessoas que pretendem entrar no mercado de trabalho, destaca o estudo.

Serviços

O plano do Governo de Timor-Leste é introduzir o sistema de governação eletrónica para melhorar a prestação de serviços e facilitar o acesso aos cidadãos.

Outra  recomendação do documento é baixar a taxa de desemprego entre os jovens com deficiência. Em 2015, 30% de jovens do grupo estavam nessa situação em comparação com 12% dos jovens que vivem sem deficiências.

A taxa diminuíu 8% em relação a 2010.

Parlamentares

O estudo reafirma que deve ser aumentado o número de mulheres na política. Apenas 22,9% do cargos de gestão são ocupados por indivíduos de sexo femenino. Cerca de 38% dos assentos parlamentares pertencem a deputadas.

Quase um terço de todos os agregados familiares timorenses tem acesso ao saneamento seguro em comparação com apenas 8% em 2010.

A outra área que deve melhorar é a de oferta de serviços básicos de água potável e saneamento. Quase um terço das famílias rurais usa uma fonte de água superficial ou não melhorada.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Banco Mundial: economia global precisa crescer mais para que se reduza a pobreza

Novo relatório analisa riscos para economias globais e traz novas expectativas de crescimento para o Brasil e outros países neste ano.*

Relatora da ONU elogia “exemplos inspiradores” da justiça tradicional em Timor-Leste

Especialista analisou questões como sistemas locais e formais de justiça em visita ao país; avaliação também incluiu temas como pobreza, desnutrição, terras, conservação, mudança climática e educação.