Procuradora do Brasil defende treinamento para crimes cibernéticos contra jornalistas
BR

20 junho 2019

Em Paris, Neide de Oliveira sugere uma pena maior para o tipo de delito; coordenadora de Grupo Nacional sobre Combate ao Crime Cibernético mencionou desafios que incluem a falta de colaboração internacional sobre a questão.

A procuradora brasileira Neide de Oliveira esteve em Paris, esta semana, participando de eventos que refletiram sobre a necessidade de um maior diálogo e esforços para enfrentar desafios na internet para mulheres jornalistas.

Juristas internacionais estiveram entre os especialistas que debateram casos de perseguição que essas profissionais sofrem on-line e falaram das experiências em seus países.

Neide de Oliveira na Conferência: "Enfrentando o assédio on-line de mulheres jornalistas". Foto: © Unesco/Christelle ALIX

Legislação

 “Eu falei das dificuldades no Brasil, sobre a investigação de crimes cibernéticos, e em relação aos jornalistas também. A gente não tem um canal específico de denúncias. Temos poucos crimes cibernéticos mesmo e nós temos um projeto de lei para introduzir outros crimes cibernéticos na legislação no Brasil. Eu penso e sugeri um aumento de pena para quando o crime for praticado contra o jornalista em geral.”

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, organizou a sessão com os Estados-membros do Grupo para a Segurança dos Jornalistas da agência.

Em nível internacional, a especialista brasileira disse que uma das principais dificuldades para lidar com o assunto é a falta de legislação e de colaboração com provedores de serviços da web.

“Os americanos principalmente porque, baseados na primeira emenda da liberdade de expressão, eles não colaboram em (questões de) crimes contra a honra que não existem nos EUA e nem sobre o racismo. Toda a vez que crimes ocorrem contra jornalistas, como difamações na internet, quando depende deles para informar alguma coisa eles nunca informam. Temos o problema da darkweb em que nós temos dificuldade de fazer investigação. Especificamente no Brasil, precisamos de treinamento da polícia, do Ministério Público, de uma parte da perícia e onde tenhamos uma deficiência.”

ONUViolaine Martin
Eventos na Unesco refletiram sobre a necessidade de um maior diálogo e esforços para enfrentar desafios na internet para os jornalistas.

Gerações

A também coordenadora do Grupo Nacional de Combate ao Crime Cibernético do Ministério Público Federal disse que funcionários da Justiça recebem cursos sobre o tema desde 2012. 

Neide de Oliveira acrescentou que um Programa do Ministério Público pela Educação é realizado em várias escolas em formato de oficinas. Nessas iniciativas, o envolvimento de professores pretende passar para as novas gerações as regras para o uso da internet com respeito aos direitos humanos.

"Como as crianças e adolescentes podem usar a internet de forma segura e ética. Este ano, começamos nas faculdades e damos seminários sobre cidadania digital no ambiente do ensino superior.”

A especialista defende que a repressão por este tipo de delito não é suficiente, e que “o melhor é educar as novas gerações para que elas não sejam nem vítimas de crimes, nem agressores de jornalistas”.

A conferência realizada na Unesco abordou ainda o combate ao assédio online de mulheres em sessões que envolveram participantes de países como Canadá, Holanda, Dinamarca e Nigéria.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Brasileira que ganhou prêmio da ONU treinará integrantes de tropas internacionais

Ex-boina azul foi reconhecida por promover igualdade de gênero em missões de paz das Nações Unidas; com a experiência, ela percorre o mundo em eventos dentro e fora da organização.

Na ONU, ex-jogador Romário defende direitos das pessoas com deficiência no esporte

Atleta sai em defesa de 40 milhões de pessoas que vivem com algum tipo de deficiência na 12ª sessão da Conferência dos Estados-Partes da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência; número corresponde a 20% da população brasileira.