Ciclone Idai: Moçambique precisa de US$ 102 milhões para resposta de emergência até agosto

24 março 2019

Novo apelo pretende levar ajuda até cerca de 650 mil pessoas até agosto; Escritório das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Ocha, assumiu coordenação da gestão humanitária na cidade da Beira; governo anunciou 417 mortes confirmadas; conferência de doadores acontece em Roma em abril; acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News.  

O Governo de Moçambique lançou uma atualização do seu apelo internacional pedindo US$ 102 milhões para actividades de emergência e reabilitação. O apelo é provisório e cobre apenas o período de março até final de agosto. 

Este apoio será dirigido a cerca de 650 mil vítimas das cheias e do ciclone Idai nas províncias de Maputo, Gaza, Sofala, Inhambane, Manica e Tete. 

Porta-voz do PMA Gerald Bourke e coordenador de emergência Pedro Matos na Beira, Moçambique, by Debora Nguyen/PMA

Revisão

O apelo baseia-se numa avaliação levada a cabo pela equipa das Nações Unidas para Desastres, Avaliação e Coordenação, Undac, a equipa da ONU no país e o governo de Moçambique. 

Uma avaliação precisa dos danos gerais causados pelas inundações só será conhecida quando as águas começarem a descer. 

Em declarações à ONU News, desde Maputo, o coordenador de emergência do Programa Mundial de Alimentação, PMA, Pedro Matos falou sobre os trabalhos de assistência. 

“Depois desta fase de resgate, de salvar vidas, das pessoas que estavam em perigo, a segunda fase é de planeamento de todas as pessoas que têm de ser assistidas, as que foram afetadas pelas cheias e as que foram afetadas pelo ciclone, que é de uma escala muitíssimo superior, das centenas de milhar ou milhões de pessoas. O PMA começou a fazer distribuições de comida desde o início, desde segunda-feira, desde que tivemos acesso aos centros de acolhimento, e neste momento estamos a expandir toda a operação para aceder às pessoas que têm estado isoladas e que estão a ficar sem comida ou que já não comem há muitos dias.” 

O Escritório das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Ocha, assumiu a coordenação da gestão humanitária na cidade da Beira este sábado. Também no sábado, o governo moçambicano anunciou que já existem 417 mortes confirmadas. 

Apelo 

O novo apelo abrange todas as áreas de atividade das Nações Unidas nas áreas de socorro e reabilitação.
Inclui necessidades básicas de alimentação, saúde e nutrição, água, saneamento, abrigos e programas educacionais.

Cecilia Borges carrega o filho, Fernandino Armindo, na Beira, Moçambique. , by UNICEF

Em nota, a ONU explica que uma prioridade é o programa de sementes e ferramentas, que fornecerá apoio importante ao setor agrícola agora arrasado.

Além disso, os fundos são necessários para reparar estradas e pontes, bem como para manter ativos de transporte aéreo em uma base comercial.

O objetivo desta apelo é preencher a lacuna entre as necessidades humanitárias e de recuperação de curto prazo e a implementação de um conjunto de projetos de reabilitação, que devem começar a ser concretizados a partir de setembro.

Conferência

Essas necessidades de longo prazo serão uma das preocupações de uma conferência internacional de doadores que deve ser realizada em Roma, Itália, no final de abril.

Em nota, as Nações Unidas dizem esperar que “os doadores continuem a contribuir generosamente para a reabilitação de Moçambique arrasado pelas cheias.”

UNICEF
Família moçambicana em frente a um abrigo provisório, na cidade da Beira, em Moçambique.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unicef: pelo menos 1 milhão de crianças foram afectadas por ciclone em Moçambique

Diretora executiva da agência visitou este sábado uma das zonas mais afetadas e avisou que os números finais podem ser muito mais elevados; agência precisa de US$ 30 milhões para a resposta inicial; acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News. 

Ciclone Idai: Guterres pede “apoio internacional muito maior”

Secretário-geral elogia esforços nacionais e internacionais de busca e resgate  para salvar milhares de vidas; para o chefe da ONU, “o que é necessário agora são fundos para apoiar a resposta nos próximos dias, semanas e meses”; acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News.