Ciclone Idai: Guterres pede “apoio internacional muito maior”

22 março 2019

Secretário-geral elogia esforços nacionais e internacionais de busca e resgate  para salvar milhares de vidas; para o chefe da ONU, “o que é necessário agora são fundos para apoiar a resposta nos próximos dias, semanas e meses”; acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News. 

O secretário-geral da ONU disse esta sexta-feira estar “profundamente triste com a perda de vidas e imagens de sofrimento humano” desde que o ciclone Idai atingiu a Beira, em Moçambique, na noite de 14 de março, e depois invadiu o Maláui e o Zimbábue.

Em nota, António Guterres disse que o ciclone resultou em um “enorme desastre”, mas que está encorajado “pelos esforços das equipes nacionais e internacionais de busca e resgate, que têm trabalhado sem parar para salvar milhares de vidas em condições perigosas e desafiantes.”

Chefe da ONU disse que ajuda será precisa durante anos, by Foto ONU/ Manuel Elias

Heróis

O chefe da ONU chamou estes homens e mulheres de “heróis”, dizendo que “não apenas resgatam famílias de telhados, também distribuem alimentos, tabletes de purificação de água e outras formas de assistência humanitária que salvam vidas.”

Guterres afirmou que esta ajuda aos sobreviventes é essencial, depois que “as suas comunidades foram literalmente destruídas.”

Resposta

Segundo o secretário-geral, a ONU e os parceiros humanitários “estão ampliando a resposta com o financiamento inicial de doadores generosos.”

A ONU já mobilizou US$ 20 milhões para iniciar a resposta, mas Guterres disse que “é necessário um apoio internacional muito maior.”

Zona afetada transformada em um "oceano em terra", by PMA/Deborah Nguyen

Necessidades

António Guterres explicou que “com as colheitas destruídas no celeiro de Moçambique, mais pessoas estão em risco de insegurança alimentar nos três países.” Além disso, “casas, escolas, hospitais e estradas estão em ruínas.”

Para o chefe da ONU, “o que é necessário agora são fundos para apoiar a resposta nos próximos dias, semanas e meses.”

O secretário-geral termina a mensagem dizendo que todos se devem solidarizar com os povos de Moçambique, do Maláui e do Zimbábue e fez um “apelo forte” para que a comunidade internacional aumente o apoio.

Segundo os últimos dados oficiais, publicados na quinta-feira, o ciclone e as cheias causaram pelo menos 242 mortes em Moçambique. No Zimbábue, 139 pessoas perderam a vida e 189 estão desaparecidas. Já no Maláui, houve 56 mortes e 577 feridos e ainda é desconhecido o número de desaparecidos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU apoia tratamento médico de mais de 10 mil vítimas de desastre natural em Moçambique

OMS enviou profissionais e materiais de saúde para o terreno; pelo menos 53 instalações sanitárias foram danificadas pelo mau tempo; diretora-geral do Unicef visita áreas afetadas para mobilizar apoio para crianças e suas famílias; acompanha aqui a cobertura especial da ONU News. 

ESPECIAL MOÇAMBIQUE: “Isto é uma coisa nunca vista”

Coordenador de emergência do PMA, Pedro Matos, está na cidade da Beira a trabalhar na resposta humanitária; agência coordena auxílio internacional pós-ciclone; 600 mil pessoas foram afetadas pelas cheias e já se admite centenas de mortes; acompanhe aqui a cobertura especial