Novo relatório da ONU destaca casos de tortura em prisões no Afeganistão BR

Novo relatório da ONU destaca casos de tortura em prisões no Afeganistão

Apesar de esforços do governo, medida ainda é problema sério nos centros de detenção do país; para fazer o documento, Unama entrevistou presos durante um ano.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.* 

A tortura continua sendo uma séria preocupação em várias prisões do Afeganistão, segundo um relatório lançado pela Missão de Assistência da ONU no país, Unama.

O documento destaca a gravidade da situação, apesar de esforços significativos do governo e de parceiros internacionais para resolver o problema.

Entrevistas

Para fazer o relatório, a Unama entrevistou mais de 635 detidos, entre outubro de 2011 e o mesmo mês de 2012. Metade disse ter passado por maus tratos e tortura, principalmente em 34 prisões da Polícia Nacional Afegã e do Diretório Nacional de Segurança.

O destaque vai para a incidência de tortura nas instalações policiais, situada em torno de 43%. O valor está 12 pontos percentuais acima do ano anterior.

Medidas

O Representante Especial do Secretário-Geral para o Afeganistão, Jan Kubis, considerou o resultado do relatório um motivo de grande preocupação. Ele pediu às autoridades que se esforcem para eliminar a tortura dos centros de detenção.

A Unama reconhece algumas medidas do governo para melhorar a qualidade das prisões, como treinamento sobre prevenção de maus tratos, diretrizes políticas e maior número de inspeções.

O relatório recomenda a necessidade urgente de reformas de longo prazo no sistema judiciário e de aplicação de leis.

Entre as 64 recomendações ao governo do Afeganistão, está a criação de um mecanismo nacional independente de prevenção de tortura.

*Apresentação: Leda Letra.