OMS ressalta progressos no acesso a diagnóstico e tratamento da hepatite C
BR

28 janeiro 2021

Avanços ocorreram em países de rendas média e baixa com alguns alcançando aumento de 20 vezes no número de pessoas tratadas com antirretrovirais entre 2015 e 2018; após Estratégia Nacional, testes passaram a custar de US$ 1 a US$ 8 por paciente.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, informou que mais de 120 países já adotaram a Estratégia Nacional contra a Hepatite Viral para combater a doença. O planejamento começou em 2016 e termina este ano.

Um dos pontos é a redução de preços no tratamento e aumento da realização de testes. Com a parceria, os cuidados de 12 semanas podem chegar a US$ 60 por pessoa e um teste varia de US$ 1 a 8.

Foto Unicef: LeMoyne
OMS, informou que mais de 120 países já adotaram a Estratégia Nacional contra a Hepatite Viral para combater a doença

Diagnóstico precoce

Os dados são do Relatório Progresso Global sobre Aceleração do Acesso a Diagnóstico e Tratamento da Hepatite C, divulgado nesta quarta-feira.

A OMS afirma que existem mais de 325 milhões de pessoas com os tipos B e C da hepatite. Ambos matam pelo menos, 1,3 milhão de pacientes por ano em todo o mundo.  O diagnóstico precoce é uma das causas no avanço da luta contra a doença. 

Em 2016, por exemplo, quando a Estratégia da OMS começou, menos de 20% das pessoas vivendo com hepatite C, sabiam que estavam contaminadas, e apenas 15% dos diagnosticados recebiam tratamento.

Com a iniciativa, muitos países de rendas baixa e média conseguiram reduzir as taxas de hepatite C com diagnósticos de qualidade e tratamento antirretroviral com os medicamentos genéricos sofosbuvir e daclastavir. 

UNAIDS
Mariângela Simão é diretora-geral assistente para Acesso a Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da OMS

Objetivo global

Apesar dos desafios criados pela Covid-19, o avanço contra a hepatite C tem impressionado especialistas, mas ainda está longe de atingir níveis de cobertura que levem à eliminação da doença, como previsto num objetivo global até 2030.

Até o final de 2017, apenas 5 milhões dos 71 milhões de pessoas com hepatite C, ou 7%, tinham acesso ao tratamento. 

A médica brasileira e diretora-geral assistente da OMS, Mariângela Simão, afirma que a qualidade dos medicamentos e testes contra hepatite C está melhorando e os preços continuam caindo. 

Mesmo assim, muitos países permanecem sem acesso às tarifas mais baixas, uma problema, que segundo ela, está relacionado à questão de transparência do mercado. 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Pandemia interrompeu calendário de imunização em metade da América Latina

Organização Pan-Americana da Saúde alerta sobre perigo de novos surtos de sarampo, catapora, rubéola, difteria e outras doenças por falta da vacina; médico brasileiro e vice-diretor-geral da Opas afirma que crianças estão sob risco.

OMS: prevenção de transmissão vertical da hepatite B é melhor forma de combate

Organização Mundial da Saúde celebra redução da proporção de crianças menores de cinco anos infectadas cronicamente que caiu para menos de 1% em 2019; na era pré-vacina, este número era de 5%; este 28 de julho é o Dia Mundial de Combate à Hepatite, que mata 900 mil pessoas anualmente.