Preparar o mundo para outra eventual pandemia custaria U$ 5 por pessoa 
BR

14 setembro 2020

Cálculo aparece em novo relatório da Organização Mundial da Saúde, OMS, e do Banco Mundial sobre ações urgentes para melhor responder a uma nova crise global de saúde; objetivo é dar elementos à comunidade internacional para minimizar consequências de eventos no futuro.

O mundo tem que se preparar para enfrentar uma nova pandemia se necessário. A recomendação é parte de um novo relatório da OMS e do Banco Mundial, divulgado nesta segunda-feira. 

O documento “Um Mundo em Desordem” foi preparado pela Comissão de Avaliação de Preparação Global, criada pelas duas organizações há dois anos.  

Pesquisa faz várias recomendações para evitar consequências de uma próxima pandemia, Acnur/Rocco Nuri

Lições 

Segundo o relatório, “a pandemia de Covid-19 está sendo um teste duro sobre a preparação do mundo.” 

A Comissão diz que houve pouco progresso em ações exigidas no primeiro relatório. Para o grupo, “essa falta de liderança está agravando a pandemia.” 

Uma das lições é que o retorno do investimento nessa área é imenso. Cerca de US$ 11 trilhões já foram gastos na resposta à Covid-19 e a ONU ainda espera perdas de mais US$ 10 trilhões.  

Segundo a pesquisa, um investimento de US$ 5 por pessoa seria suficiente para preparar a comunidade internacional para uma próxima crise e minimizar suas consequências.  

Recomendações 

O relatório pede cinco ações urgentes. Primeiro: uma liderança responsável, seguida de cidadania engajada, sistemas fortes e ágeis de segurança sanitária, investimento sustentado e preparação. 

Falando a jornalistas, em Genebra, o diretor-geral da OMS. Tedros Ghebreyesus disse que “o mundo lança dinheiro sobre uma epidemia, mas pouco faz para prevenir a próxima." 

O mundo lança dinheiro sobre uma epidemia, mas pouco faz para prevenir a próxima

Segundo ele, muitas análises e recomendações são feitas, mas muitas ficam sem resposta. O que seria como “esperar a queda do avião para só depois pedir mais inspeções de segurança.” 

Tedros disse ainda que o mundo precisa “cooperar, planejar a longo prazo e perceber que gastos com saúde e preparação não são caridade, mas um investimento no futuro.” 

Covid-19 

Sistemas de saúde públicos fortes podem ajudar a combater disseminação de um novo vírus, Universidade de Oxford/John Cairns

A pandemia de Covid-19 teve um grande impacto na vida das pessoas, na saúde, economia e em toda a sociedade atingindo todos os países. 

Segundo o chefe da OMS, “muitos que tiveram um bom desempenho são aqueles que aprenderam com surtos anteriores, como Sars, Mers, H1N1, ebola e outros.” 

Ele diz que a Covid-19 não será a última pandemia, nem a última emergência global de saúde. Por isso, os Estados-membros devem construir “sistemas de saúde pública para garantir que uma pandemia dessa magnitude e gravidade nunca aconteça novamente." 

Para Tedros “com os investimentos políticos e financeiros certos, é possível prevenir e mitigar futuras pandemias e proteger gerações vindouras." 

Até esta segunda-feira, tinham sido confirmados quase 30 milhões de casos  em todo o mundo e cerca de 922 mil mortes.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Voltando à escola após a quarentena? Veja como se proteger neste guia do Unicef

Fundo das Nações Unidas para a Infância afirma que precauções devem ocorrer dentro e fora das salas de aula para combater o vírus; artigo traz dicas para alunos e professores incluindo distanciamento social, lavagem de mãos e ações a tomar em caso de doença.

ONU quer US$ 35 bilhões para vacinas, tratamentos e diagnósticos contra Covid-19 

Evento virtual da iniciativa Acelerador ACT destaca que US$ 15 bilhões desse montante serão para próximo trimestre; secretário-geral sublinha que investimento ajudaria a evoluir da fase inicial para aumento do impacto das ações contra a pandemia