Em Dia Internacional, Guterres afirma que tortura ainda existe em muitos países BR

Maria Ba Caal, da Guatemala, é uma das beneficiária dos Fundo Voluntário da ONU para Vítimas de Tortura
ONU Mulheres/ Ryan Brown
Maria Ba Caal, da Guatemala, é uma das beneficiária dos Fundo Voluntário da ONU para Vítimas de Tortura

Em Dia Internacional, Guterres afirma que tortura ainda existe em muitos países

Direitos humanos

Para secretário-geral, prática é “negação repugnante da dignidade humana”; chefe da ONU também destaca trabalho do Fundo Voluntário para as Vítimas de Tortura, pedindo que doadores continuem assegurando seu financiamento.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que “a tortura continua em muitos países, mesmo naqueles onde é criminalizada.”

Neste 26 de junho, as Nações Unidas marcam o Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura. Em mensagem, António Guterres afirmou que a prática “é um abuso flagrante dos direitos humanos.”

A Síria, por exemplo, é um dos países onde a tortura pelas várias partes em conflito parece ser mais comum do que se pensava
A Síria, por exemplo, é um dos países onde a tortura pelas várias partes em conflito parece ser mais comum do que se pensava , by Foto: Acnur/Dominic Nahr

Direito internacional 

O chefe da ONU diz que a tortura é proibida “inequivocamente” pelo direito internacional e “em todos os casos.”

Neste Dia Internacional, defensores dos direitos humanos e sobreviventes em todo o mundo chamam a atenção para a violação, que Guterres chama de “uma negação repugnante da dignidade humana.”

Para ele, “a tortura diminui todos e tudo em que toca, incluindo os torturadores, os sistemas e os Estados onde ocorre.”

O secretário-geral afirmou que os autores do crime “nunca devem sair impunes” e “os sistemas que permitem que a tortura aconteça devem ser desmontados ou transformados.”

Apoio

Ele também lembra que é preciso apoiar vítimas e sobreviventes, permitindo que suas famílias tenham recursos para lutar por justiça. Guterres pediu apoio e doações para o Fundo Voluntário das Nações Unidas para as Vítimas de Tortura.

Para o chefe da ONU é preciso honrar as vítimas de tortura e assumir o compromisso de alcançar um mundo onde a violação acabe.