Vice-chefe da ONU quer que homens “assumam a responsabilidade” de combater violência à mulher
BR

22 junho 2020

Em apelo pessoal, Amina Mohammed conta que foi inspirada pelos filhos a falar sobre o tematema e pede que todos se juntem a esta luta, especialmente homens e meninos; em abril, Nações Unidas alertaram sobre aumento da violência durante pandemia.

Em todo o mundo, a violência contra mulheres e meninas, incluindo estupro, está a disparar. O alerta é da vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, em mensagem publicada esta segunda-feira. 

A vice-chefe das Nações Unidas diz que muitos incidentes provocaram indignação generalizada, mas “alguns continuam tentando jogar o mesmo jogo de sempre: o jogo da culpa.”

Desculpas

Segundo Amina Mohammed, tenta-se desculpar este aumento com a pandemia de Covid-19, o estresse social e econômico e a incerteza. De forma “escandalosa”, até se culpa a vítima. Para a vice-secretária-geral, estas pessoas “culpam qualquer coisa, tudo, menos o agressor.”

Ela disse que é preciso ser claro que “não há desculpa”, “não há justificativa” e “deve haver tolerância zero” para a violência sexual. Todos se devem levantar e falar. Uma das formas de apoiar esses esforços é através da Iniciativa Spotlight, da União Europeia e da ONU.

Homens

Amina Mohammed é “mãe orgulhosa” de quatro filhas, mas as vozes mais altas para falar sobre este tema vieram dos seus dois filhos. Segundo ela, eles disseram que esse “é um problema perigoso” e faz parte dos temas de conversa dos adolescentes.

Ela diz que não sabe se as pessoas vão ouvir seu apelo, mas que se pode “fazer a diferença na vida de uma só mulher, já valerá a pena falar sobre isso.”

Quando ela perguntou a seus filhos como eram essas conversas, eles disseram que variavam, com muitos condenando a violência, mas outros culpando as mulheres. Para Amina Mohammed, isso é inaceitável. 

Segundo ela, “homens e meninos que cometem violência contra mulheres ou meninas simplesmente não são homens.” São “fracos, vergonhosos, a exata definição de covarde.”

Além disso, todos os que ignoram o problema, dizendo que é um assunto particular, são cúmplices da violência. Devido a essas atitudes, milhões de mulheres e meninas enfrentam o perigo de violência e estupro todos os dias, seja em casa, na escola ou na internet. 

Apelo

Na mensagem vídeo, Amina Mohammed dirige-se diretamente ao público masculino, afirmando que “homens e meninos, pais e filhos, maridos, devem ter essa conversa.” Ela pede que assumam a responsabilidade, falem sobre o tema, e fiquem ao lado das mulheres e meninas.

Ela pede ainda que todas as pessoas deem as mãos a sobreviventes de violência, ouçam suas histórias e parem de culpar e humilhar as mulheres e meninas que passam por essas situações.

Para terminar, a vice-secretária-geral lembra que, se não fosse uma mulher e seus nove meses de trabalho, nenhum homem estaria vivo hoje. Por isso, eles “devem ficar do lado de suas mães, irmãs, filhas e parceiras.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Vice-chefe da ONU alerta para diferença entre compromissos e realidade no tratamento de pessoas com deficiência

Amina Mohammed participou na Conferência Internacional de Deficiência e Desenvolvimento em Doha, no Qatar; em todo o mundo, cerca de um bilhão de pessoas vivem com algum tipo de deficiência, cerca de 80% em países em desenvolvimento.