Especialistas preocupados com planos para descartar resíduos de Fukushima
BR

9 junho 2020

Governo do Japão sinalizou que despejaria águas residuais no oceano; acidente com usina nuclear ocorreu em março de 2011; relatores dizem que tempo de consulta pública foi insuficiente e que decisão afetará comunidades dentro e fora do país.

Um grupo de especialistas em direitos humanos da ONU* pediu ao governo do Japão para adiar decisão sobre o despejo de águas residuais nucleares dos reatores de Fukushima no oceano.

Os quatro relatores afirmam que nada deve ser decidido até que a crise de Covid-19 tenha passado. Eles também querem que o tema seja levado a consultas com a comunidade internacional.  

Decisão

O acidente nuclear em Fukushima ocorreu em 11 de março de 2011, quando a usina foi atingida por um tsunami que afetou metade de seus reatores nucleares.

Em nota, os especialistas dizem estar "profundamente preocupados” com relatos de que o governo acelerou o plano para liberar águas radioativas no oceano. 

Segundo os relatores, o período de consulta pública foi insuficiente. Além disso, aconteceu durante as medidas de contenção da pandemia, limitando a contribuição de comunidades afetadas no Japão e países vizinhos, incluindo povos indígenas. 

Comitê da ONU disse que a radiação libertada pelo acidente parece não estar aumentando os casos de câncer em Fukushima
Especialistas confirmaram casos de poluição tóxica na área japonesa de Fukushima Daichi, Aiea/Giovanni Verlini

Decisões

O grupo afirma que "a Covid-19 não deve ser usada como distração para decisões que terão implicações profundas para as pessoas e o planeta nas próximas gerações." Segundo eles, "haverá graves impactos no meio de vida dos pescadores japoneses, mas também nos direitos humanos de pessoas e povos fora do Japão."

A nota informa que não existe necessidade de “decisões precipitadas” porque há espaço adequado para armazenamento. Além disso, a consulta pública não era esperada antes dos Jogos Olímpicos de 2020, que foram adiados no país por causa da pandemia.

Apelo

Os especialistas pedem “espaço e oportunidade adequados para realizar consultas”, dizendo que a decisão “provavelmente afetará pessoas e povos dentro e fora do Japão.”

Também apelam a que o governo “respeite o direito dos povos indígenas de obter consentimento prévio e informado e respeite o direito de reunião e associação.”

Os especialistas comunicaram suas preocupações ao governo do Japão por carta.

Eles também mencionaram preocupações com o aumento dos níveis de exposição à radiação considerada "aceitáveis" e sobre o uso de trabalhadores vulneráveis nos esforços de limpeza após o desastre nuclear.

 

*Os relatores especiais são independentes das Nações Unidas e não recebem salário pelo trabalho prestado.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud