Agência da ONU suspende operações em Trípoli por causa da insegurança 
BR

30 janeiro 2020

Anúncio do Acnur, feito nesta quinta-feira, refere-se à instalação GDF, que serve de trânsito para refugiados, e fica perto de uma área onde estão sendo realizados treinamentos militares; no início deste mês, três morteiros caíram perto do complexo. 

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, decidiu suspender suas operações na Instalação de Reunião e Partida, GDF na sigla em inglês, que acolhe refugiados em trânsito, na Líbia. 

Em comunicado, o Acnur informou que a medida é em resposta a receios pela proteção e segurança das pessoas abrigadas no local, além do pessoal do Acnur e parceiros.  

Exercícios 

O chefe da Missão do Acnur no país, Jean-Paul Cavalieri, afirmou que a agência não tem outra opção a não ser suspender o trabalho. O motivo são exercícios militares realizados perto do local, envolvendo policiais e outras forças. 

Para Cavalieri, existe um risco de que toda a área acabe se tornando um alvo militar colocando em perigo as vidas dos refugiados, requerentes de asilo e outros civis.  

O Acnur iniciou a retirada de dezenas de refugiados, em condições bem precárias,  para locais mais seguros. Essas pessoas já receberam sinal verde para o processo de  assentamentos ou evacuação a países terceiros. 

Bombardeios 

A agência da ONU também vai ajudar com a evacuação de centenas de pessoas para áreas urbanas, o que inclui 400 solicitantes de asilo que tiveram que sair do Centro de Detenção Tajoura, após o local ter sido alvo de bombardeios em julho.  

Um outro grupo de refugiados conta com 300 pessoas do Centro de Detenção Abu Salim, acolhidos pelo GDF em novembro após terem sidos liberados pelas autoridades. 

O Acnur dará a todas essas pessoas assistência com dinheiro, donativos e cuidados médicos no Centro Comunitário da agência em Trípoli. 

O chefe da agência em Trípoli afirmou que o resto do trabalho continua sem alterações no país e que ele espera resumir a atuação do Acnur na GDF assim que a segurança retornar ao local.  

Apelo 

No início deste mês, três morteiros caíram perto da instalação nas imediações de um depósito dentro do complexo. A GDF, que é da alçada do Ministério do Interior, acolhe migrantes e candidatos a asilo em trânsito, até que o caso deles seja processado.  

Desde dezembro de 2018, cerca de 1,7 mil refugiados detidos foram evacuados da Líbia em segurança através da GDF.  

Mas o local tornou-se superlotado e deixou de funcionar com um centro de trânsito.  

O Acnur continua pedindo a todos os lados do conflito na Síria que protejam os civis e a infraestrutura do país. 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU quer inquérito independente sobre ataques que mataram 53 na Líbia

Ofensivas ocorreram em julho de 2019; vítimas eram migrantes e refugiados; relatório examinou vídeos e outras provas e ouviu sobreviventes e testemunhas; 60% das 287 mortes registradas no ano passado foram causados por ataques aéreos