FAO: gafanhotos do deserto estão devastando sudeste africano
BR

17 dezembro 2019

Agência da ONU pede mais medidas de prevenção e controle para diminuir perdas de colheitas; enxames provocaram perdas significativas nas terras cultivadas.  

A menos que sejam tomadas medidas urgentes e permanentes para controlar a invasão de gafanhotos do deserto na Etiópia e na Somália, a praga se espalhará para outros países da África Oriental, incluindo Djibuti, Eritreia, Quênia, Sudão do Sul e Sudão.  

As fêmeas dos gafanhotos do deserto podem colocar até 300 ovos durante a vida. Foto: FAO/G.Tortoli

O alerta foi feito pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO.  

Gafanhotos 

Segundo a agência, a rápida incursão da praga em várias áreas da Etiópia já resultou em perdas significativas nas terras cultivadas.  Os meios de subsistência dos pequenos agricultores que dependem de colheitas e da pecuária também foi prejudicado. 

O coordenador sub-regional da FAO para a África Oriental, David Phiri, disse que a infestação pode levar a uma queda considerável na produção agrícola e exacerbar ainda mais a terrível insegurança alimentar e desnutrição. 

Ele explicou que, como o clima parece favorável para a proliferação dos gafanhotos, há uma alta probabilidade de que eles continuem se reproduzindo até março ou abril do próximo ano. Phiri afirmou que “isso afetará muito as pessoas e o gado em muitas partes da sub-região, que já abriga 50% das pessoas com insegurança alimentar na África." 

O coordenador fez um apelo para que os parceiros de desenvolvimento apoiem os esforços dos governos nacionais e outras instituições para ampliar suas operações e evitar um possível desastre. 

Perdas 

Apesar dos esforços, já ocorreram perdas substanciais nas plantações nas regiões de Amhara e Tigray, na Etiópia. Grupos de gafanhotos já cobriram quase 430 quilômetros quadrados e consumiram cerca de 1,3 milhão de toneladas de vegetação durante um período de dois meses.  

Nesse momento, enxames estão passando pelas áreas de pastagens da Somália e Etiópia. Na Eritreia, grupos de insetos migraram da Etiópia foram identificados e controlados na costa norte do Mar Vermelho.  

A FAO também informa que enxames foram detectados em distritos do sul da Eritreia.  

Pulverização  

Devido às condições favoráveis, outra geração de gafanhotos do deserto deverá afetar a região em 2020. Para evitar essa situação, a agência da ONU está trabalhando em estreita colaboração com o Governo Federal da Somália e organizações parceiras para realizar grandes operações de pulverização aéreas e terrestres.  

O gafanhoto do deserto é o mais perigoso de quase uma dúzia de espécies deste tipo de inseto. Está normalmente presente nas áreas desérticas de 20 países entre a África Ocidental e a Índia, cobrindo quase 16 milhões de quilômetros quadrados.  

A vegetação verde e solos úmidos e arenosos favorecem a reprodução. Um enxame típico pode conter até 150 milhões de insetos por quilômetro quadrado.  

Os grupos migram com o vento e podem percorrer de 100 a 150 quilômetros em um dia. Um enxame médio pode destruir em um dia uma quantidade de comida suficiente para alimentar 2,5 mil pessoas. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Cerca de 5,5 milhões de pessoas podem passar fome no Sudão do Sul em 2020

Plano de Resposta Humanitária foi publicado esta quinta-feira; 7,5 milhões de pessoas precisam de assistência ou proteção humanitária no país; ONU e parceiros precisam de US$ 1,5 bilhão para esse apoio.

FAO prevê insegurança alimentar para 9,7 milhões de pessoas no Sahel

Cerca de 2 milhões de crianças correm risco de sofrer de desnutrição aguda na região africana; FAO quer maior atenção para áreas como Lago Chade, Níger, Burquina Fasso e Mali.