Nações Unidas preocupadas com lançamento de foguetes de Gaza para Israel
BR

13 novembro 2019

Para enviado da organização, situação é absolutamente inaceitável e deve parar de imediato; dois dias de tensão provocaram 23 mortes do lado palestino e 50 feridos do lado israelense.

O coordenador especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Nickolay Mladenov, expressou “crescente preocupação” com o aumento do lançamento de foguetes na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel.

Agências de notícias informaram que a situação já causou pelo menos 23 mortes do lado palestino e deixou 50 feridos do lado israelense. Somente nesta quarta-feira,  13 palestinos perderam a vida, incluindo três crianças devido aos ataques de retaliação.

Bairro de Rimal, na Cidade de Gaza. Foto: Mohammed Mahmoud Awad

Escalada

Em comunicado, Mladenov disse estar muito preocupado com a grave e contínua escalada entre a Jihad Islâmica da Palestina e Israel, um dia após o assassinato de um líder do grupo em Gaza.

Para Mladenov, o lançamento indiscriminado de foguetes e morteiros contra centros populacionais é absolutamente inaceitável e deve parar imediatamente.

O enviado destacou que a ONU trabalha para reduzir a situação com urgência. De acordo com as Forças de Defesa de Israel, mais de 100 foguetes foram lançados contra seu território nas últimas 48 horas.

Esforços

De acordo com o enviado, nada justifica ataques contra civis. Ele considera “muito perigosa” a contínua escalada, a qual destaca ser “uma tentativa de minar os esforços para melhorar as terríveis condições socioeconômicas em Gaza”.

O enviado das Nações Unidas pediu que as partes “evitem outro conflito arrasador”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU anuncia líder interino para agência de assistência a refugiados palestinos

Christian Saunders, do Reino Unido, chefiará Unrwa durante conclusão de uma investigação que envolve o comissário-geral da agência, Pierre Krähenbühl; revisão interna sobre alegações de irregularidades indica áreas que precisam ser reforçadas.

Oriente Médio “não pode arcar com outra guerra”, alerta enviado da ONU

No Conselho de Segurança, Nickolay Mladenov falou de protestos na região e fez apelo para que Israel e Palestina retomem negociações; enviado aponta justiça, direitos humanos e lei internacional como bases para paz duradoura na região.