Nações Unidas lamentam devastação causada pelo tufão Hagibis no Japão
BR

14 outubro 2019

Secretário-geral elogiou o papel de liderança que país está desempenhando na resiliência climática; agências de notícias informam que pelo menos 25 pessoas morreram e 15 desapareceram.

A Organização Meteorológica Mundial, OMM, disse que o tufão que passou pelo Japão foi uma das tempestades de maior impacto que já atingiu o país em muitos anos.

Em comunicado divulgado neste domingo, o secretário-geral disse que estava triste pelos relatos de perda de vidas e extensa destruição causada por Hagibis. O chefe da ONU estendeu suas profundas condolências às famílias das vítimas, ao governo e ao povo do Japão e desejou uma rápida recuperação aos feridos.

Tufão

Hagibis chegou ao Japão no sábado, ao sul da capital Tóquio, antes de seguir para o norte. Com ventos que chegaram aos 200 km/hora e chuvas torrenciais, a passagem do tufão causou devastação e transtorno em cidades densamente povoadas. 

Agências de notícias informam que pelo menos 25 pessoas morreram e 15 desapareceram. As mortes teriam sido causadas por deslizamentos de terra e pelas inundações.

Resgate

Dezenas de milhares de soldados, bombeiros e outros trabalhadores de emergência foram enviados para as áreas mais atingidas para resgatar pessoas presas pelas águas da enchente.

No domingo, empresas de serviços públicos tentaram restaurar a energia de centenas de milhares de residências. 

Hagibis atingiu o Japão apenas um mês depois que outra tempestade intensa, a Faxai, causou danos generalizados em partes do país, incluindo dezenas de milhares de casas que ainda não foram reparadas.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU pede investimentos para reduzir impacto de desastres naturais

Em Dia Internacional para Redução de Riscos de Desastres, neste 13 de outubro, secretário-geral disse que acidentes “podem apagar décadas de desenvolvimento num instante”; Moçambique precisa de US$ 3,2 bilhões para reconstrução pós-ciclones.