Milhares de refugiados da República Democrática do Congo deixam Angola

23 agosto 2019

Cerca de 8,5 mil refugiados deixaram o assentamento de Lóvua na província da Lunda Norte; Agência da ONU para Refugiados e governos nacionais estão acompanhando o movimento e prestando assistência. 

Cerca de 8,5 mil refugiados deixaram, de forma espontânea, o assentamento de Lóvua na província da Lunda Norte, em Angola, desde 18 de agosto, com a intenção de regressar à República Democrática do Congo, RD Congo.

A informação foi confirmada esta sexta-feira pelo porta-voz da Agência da ONU para Refugiados, Acnur, Andrej Mahecic, em Genebra.

Segurança

Coordenador residente da ONU em Angola, Paolo Balladelli, ONU News

Em entrevista à ONU News, o coordenador residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, disse que este movimento causa algumas preocupações, mas que  “a vontade dos refugiados tem de ser respeitada e tem de se perceber qual a melhor forma que os dois países e a ONU têm para assegurar que essa movimentação seja feita sem problemas e vítimas.” 

“Esta movimentação inesperada e muito rápida é difícil de gerir do ponto de vista logístico, alimentar e também em termos de dar toda a segurança, para que as populações cheguem na RDC. Foi uma decisão dos refugiados, que as Nações unidas respeitam, que o governo de Angola respeita, mas que antecipa uma apropriada organização, liderada pelo Acnur, de uma movimentação que aconteça sem problemas para a população interessada.”

Números

Mais de mil refugiados já regressaram ao seu país e muitos outros estão se dirigindo para a fronteira com a região de Kasai.

Segundo o porta-voz, esta parece ser uma resposta a relatos sobre uma melhoria da segurança em alguns dos locais de origem e a vontade de regressar a tempo do início do ano letivo.

A província do Kasai está se recuperando de confrontos que aconteceram entre grupos armados e forças nacionais em 2017.  Esta violência provocou o deslocamento de cerca de 1,4 milhão de pessoas e cerca de 37 mil refugiados atravessaram para Angola.

Segundo a agência, os retornos espontâneos desta semana também podem estar relacionados com as eleições presidenciais e acompanham discussões recentes em que os refugiados foram informados sobre melhorias na situação de segurança.

Abrigo

Refugiados da RD Congo em Lunda Norte, em Angola, Foto: Paolo Balladelli/ONU Angola.

Até agora, o assentamento de refugiados de Lóvua abrigava mais de 20 mil refugiados. O governo angolano forneceu transporte para algumas das pessoas em movimento, mas outros deixaram o local por conta própria. Muitos refugiados estão acampando ao lado das principais estradas no nordeste de Angola, incluindo mulheres e crianças.

O Acnur está trabalhando com parceiros e os governos dos dois países para responder às necessidades humanitárias. Funcionários estão ao longo das rotas de retorno para monitorar, colher informações e prestar ajuda. Representantes da agência também orientam os refugiados.

Apoio

Dentro da República Democrática do Congo, o Acnur está trabalhando com as autoridades para implantar sistemas de monitoramento nos pontos de entrada da fronteira para avaliar a natureza desses retornos e obter informações sobre o tipo de assistência necessária.

A agência também está em diálogo com os dois países para criar um mecanismo de retornos voluntários, dignos e sustentáveis. O porta-voz diz que o Acnur “entende a ânsia dos refugiados de voltar para casa”, mas “apela a ambos os governos para que evitem situações em que milhares de refugiados possam estar em risco por falta de planejamento, transporte e assistência adequados.”

Embora a segurança tenha melhorado na região do Kasai nos últimos meses, a insegurança no país continua a forçar o deslocamento de milhares de pessoas nas províncias de Kivu do Sul, Kivu do Norte e Ituri.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU contribui para apoiar parte dos 2,3 milhões de afetados pela seca em Angola

Doação de bens será feita na província do Cunene, uma das quatro que enfrentam a emergência da seca; Unicef revela que situação afeta cerca de 491 mil crianças com menos de cinco anos.

Programa de rádio com crianças refugiadas é "caso de sucesso” em Angola

Unicef ajudou a criar duas emissoras em assentamento de refugiados da República Democrática do Congo; iniciativa envolve cerca de 150 refugiados e passa mensagem sobre água, condições sanitárias, nutrição, saúde e educação para a paz.