Agências humanitárias lamentam “colapso” de trégua que ameaça vida de milhões de sírios
BR

8 agosto 2019

Nova onda de violência ameaça civis na área de Idlib, no noroeste do país; mais de 500 pessoas morreram e centenas ficaram feridas desde o início dos combates no final de abril.

A Força-Tarefa Humanitária do Grupo Internacional de Apoio à Síria considera “profundamente lamentável” que na segunda-feira tenha havido o colapso da cessação das hostilidades no noroeste do país.

O grupo condena a nova onda de violência que está ameaçando a vida de milhões de civis na área de Idlib, em nota emitida após uma reunião realizada esta quinta-feira, em Genebra. Entre as pessoas em perigo estão mais de 1 milhão de crianças.

Imagens do conflito na Síria, um dos países com maior número de refugiados e deslocados internos, by Acnur/Christopher Reardon

Necessidades

O apelo aos países é que usem sua influência para apoiar a redução da violência na região e  que se aumente o apoio às necessidades humanitárias críticas do país.

Agências de notícias informaram que as operações militares na região foram retomadas quatro dias após o anúncio da trégua, depois da recusa de grupos armados em respeitar o cessar-fogo que iniciou na última sexta-feira.

As agências humanitárias destacam que durante a interrupção dos combates, muitos civis voltaram para suas casas, e estão vivendo em áreas onde os ataques pesados voltam a colocá-los em grande risco.

Deslocados

Mais de 500 civis foram mortos e outras centenas ficaram feridos desde o início dos combates, no final de abril.

Nesse período, o ritmo do deslocamento “aumentou de forma alarmante”. Cerca de 400 mil pessoas deixaram suas áreas de origem, muitas delas por várias vezes. A  nota revela ainda que houve uma “esmagadora maioria” de pessoas que fugiu para áreas densamente povoadas.

O grupo de agências estima que mais 30 de mil pessoas foram deslocadas para áreas controladas pelo governo. O pedido feito na reunião é para que se “pare o bombardeio nos bairros sob controle do governo sírio”.

Entre as consequência dos ataques aéreos e de artilharia estão danos consideráveis causados em  dezenas de instalações de saúde, escolas, mercados, estações de água e outras infraestruturas civis.

Hospital Kafr Nubl é ambulância em ruínas, depois de ataque no início de maio de 2019. , by Foto: Unicef/Khalil Ashawi

Proteção

Para melhorar a segurança e a proteção do pessoal humanitário e de suas operações, a ONU pediu informações às partes que integram o sistema que foi criado para evitar conflitos. A organização quer saber o que ocorreu no noroeste da Síria este ano. A Turquia respondeu a alguns pedidos mais ainda é aguardada a resposta da Rússia.

A nota lembra  às partes no conflito  que elas “são legalmente obrigadas a cumprir suas obrigações sob o direito internacional humanitário, e que os autores de quaisquer violações do direito internacional humanitário devem ser responsabilizados”.

As agências declararam também que tiveram conhecimento das discussões para estabelecer uma “zona segura” no nordeste da Síria.

Intervenção

Outra preocupação dos atores humanitários são as declarações que sugerem uma possível intervenção militar, que “teria graves consequências em uma área que já testemunhou anos de atividade militar, deslocamentos, secas e inundações”.

A região também foi recentemente afetada por incêndios que causaram danos em culturas e na produção agrícola. Elas prometeram continuar com os esforços para apoiar os 1,6 milhão de necessitados na área, incluindo 604 mil deslocados internos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Novos ataques geram preocupação com civis “presos na carnificina” no nordeste da Síria

Regiões mais afetadas incluem Hama, Idlib e Aleppo; Ocha destaca situação de pessoas isoladas em Idlib e arredores; cerca de 1 milhão de vítimas são crianças.

2018 teve o nível mais alto de crianças mortas ou mutiladas em conflitos armados

De acordo com último Relatório Anual do Secretário-Geral sobre Crianças e Conflitos Armados, foram verificadas mais de 24 mil violações cometidas contra crianças nos 20 países que constam na agenda de Crianças e Conflitos Armados.