Conflito no nordeste da Nigéria já deslocou mais de 134 mil pessoas este ano

9 julho 2019

Nações Unidas alertam para piora de fragilidade em áreas como insegurança alimentar, desnutrição e epidemias; representantes de agências internacionais querem mais apoio para áreas afetadas pela crise.

Cerca de 134 mil pessoas foram obrigadas a deixar suas casas devido ao conflito no nordeste da Nigéria, segundo as Nações Unidas.

A organização estima que 7,1 milhões de pessoas precisem de assistência humanitária essencial nos estados de Borno, Adamawa e Yobe. As áreas são as mais atingidas pelo conflito entre o governo e o grupo terrorista Boko Haram.

Um homem carrega lenha cortada no campo de Bakassi em Maiduguri, nordeste da Nigéria, que em 2017 hospedava 21 mil pessoas deslocadas pelo Boko Haram. Foto: © Acnur/Romain Desclous

Vulnerabilidade

A ONU destaca que os meios de subsistência das vítimas foram afetados pela violência. Essa situação agravou as carências em áreas como insegurança alimentar, desnutrição e epidemias.

Em 2019, o conflito entra para o 10º ano com mais de 3 milhões de vítimas de insegurança alimentar. A desnutrição ameaça mais de 1 milhão de crianças da região.

Atualmente, dezenas de milhares de civis perdem a vida com o aumento da violência que se observa nos últimos meses. A situação é agravada pelas operações militares realizadas em áreas do estado de Borno.

Na semana passada, uma parte da área foi visitada por altos funcionários de agências humanitárias das Nações Unidas e ONGs.

Necessidades

Representantes da Organização Internacional para Migrações, OIM,  da comunidade humanitária na Nigéria e do Conselho Dinamarquês para Refugiados pediram mais apoio para enfrentar o recente agravamento da violência e das necessidades humanitárias.

Durante a visita, os altos funcionários se reuniram com as autoridades locais, agências da ONU, ONGs humanitárias e parceiros em Maiduguri, a capital do estado de Borno.

Eles também visitaram vários campos de deslocados internos da área e cidades como Damboa, Dikwa e Rann, que são as mais atingidas pela crise.

Ocha/Leni Kinzli
Cerca de 134 mil pessoas foram obrigadas a deixar suas casas devido ao conflito no nordeste da Nigéria.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Grupo armado liberta cerca de 900 crianças na Nigéria

Crianças e jovens serão beneficiados por programas de reintegração; Unicef estima que mais de 3,5 mil menores foram recrutados e usados no conflito no nordeste do país em 2017; milícia Cjtf apoia forças de segurança no combate à insurgência. 

Mais de 3,5 mil crianças recrutadas por grupos armados na Nigéria desde 2013

Unicef lança alerta no quinto aniversário do sequestro de Chibok; mais de 100 das meninas raptadas continuam desaparecidas; 432 crianças foram mortas e mutiladas no país somente no ano passado.