Agências da ONU marcam um ano da operação de acolhimento de venezuelanos no Brasil
BR

4 abril 2019

Lançada em março de 2018, Operação Acolhida operacionaliza assistência emergencial para acolhimento de refugiados e migrantes da Venezuela; mais de 240 mil venezuelanos entraram no Brasil desde 2017, sendo que quase a metade deles já saiu do país.*

A Operação Acolhida celebrou o primeiro aniversário do início das atividades de proteção e assistência aos venezuelanos que chegam ao Brasil pela fronteira com o estado de Roraima.

Para marcar a data, foram realizadas atividades culturais e esportivas para promover a integração entre refugiados e migrantes e brasileiros residentes da cidade de Boa Vista.

Venezuelanos chegando em Manaus, no Brasil, by Foto: César Nogueira/ Acnur Brasil

Celebrações

As celebrações estão sendo promovidas pelas Forças Armadas, com o apoio de Agência da ONU para Refugiados, Acnur, Organização Internacional para as Migrações, OIMFundo de População das Nações Unidas, Unfpa, ONU Mulheres e Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef. Também participam o governo do estado de Roraima e da Prefeitura de Boa Vista, além do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud.

Lançada em março de 2018, a Operação Acolhida operacionaliza a assistência emergencial para o acolhimento de refugiados e migrantes da Venezuela. Através da operação, os venezuelanos que chegam ao Brasil são registrados, documentados e imunizados.

Aqueles que pretendem permanecer no Brasil são orientados a solicitar refúgio ou requisitar visto de residência temporária. Os casos mais vulneráveis são encaminhados para abrigos temporários emergenciais.

Interiorização

Outro foco importante da operação é a interiorização, que tem transferido refugiados e migrantes de Roraima para outros estados do país, onde encontram melhores oportunidades de integração socioeconômica. Segundo o Acnur, mais de 5,2 mil refugiados e migrantes venezuelanos já foram interiorizados para 50 cidades em 17 estados.

Dados oficiais indicam que mais de 240 mil venezuelanos entraram no Brasil desde 2017, sendo que quase a metade deles já saiu do país. Cerca de 160 mil foram regularizados até o momento, seja pela solicitação de refúgio, 59%, ou por meio de um visto de residência temporária, 41%.

Em um ano de operação, 56 mil Cadastros de Pessoa Física, CPF, foram emitidos para refugiados e migrantes. Também já foram feitos mais de 22 mil atendimentos médicos, com cerca de 53 mil vacinas aplicadas nos centros de atendimento em Pacaraima e Boa Vista.

Donativos

Além de envolver a população de Boa Vista e promover sua interação com refugiados e migrantes, as celebrações da Operação Acolhida recolhem donativos para melhorar a rotina dos venezuelanos em Boa Vista. Para participar de uma feijoada e das corridas e eventos promovidos, a população foi convidada a doar materiais escolares, kits de higiene pessoal ou alimentos não perecíveis, que serão repassados à população abrigada.

A OIM também participou das festividades com um estande informativo visando divulgar à população de Boa Vista as atividades realizadas no Brasil. O objetivo também foi informar a população venezuelana sobre a assistência disponibilizada aos migrantes e solicitantes de refúgio no país.

A exposição de fotos “Olhares Acolhedores” segue em cartaz no Pátio Roraima Shopping até 30 de março.

*Com informação da ONU Brasil.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Bachelet preocupada com “gravidade e impacto” da crise na Venezuela

Chefe de Direitos Humanos da ONU destacou que uma equipe técnica do Escritório está na Venezuela; pesquisa recente indica que mais de 1 milhão de crianças estão fora da escola no país.

Agências da ONU ajudaram mais de 5 mil venezuelanos a encontrar novos locais para viver no Brasil

Iniciativa de realocação voluntária começou em abril de 2018 e envolve 50 cidades diferentes em todo o país; programa quer ajudar a reduzir pressão sobre as comunidades de acolhimento no norte do Brasil.