Especial Câncer de Próstata: entre eliminar tabus e divulgar a mensagem de esperança 
BR

4 fevereiro 2019

Exame pode retardar morte de até 30% dos pacientes confirmados; Lusófonos falam de mobilização e possibilidade de tratamento; insegurança é comum em homens antes de fazer o exame em vários pontos do mundo.*

Neste 4 de fevereiro, Dia Mundial de Combate ao Câncer, a Organização Mundial da Saúde, OMS, tem como uma das metas informar e acabar com ideias erradas sobre essa condição.

A ONU News ouviu vários envolvidos no combate ao câncer de próstata, uma doença que vai afetar um em cada seis homens no mundo, segundo a OMS.

Casos de câncer devem aumentar 70% até 2038. Foto Aiea: Petr Pavlicek

Exame

Campanhas para lembrar que é preciso prevenir a doença, que geralmente ocorre em homens, acontecem especialmente em novembro. A ideia é reverter essa tendência: em 105 países é o câncer de próstata o mais frequentemente positivo nos exames de oncologia.

Vozes de países de língua portuguesa também se fazem às ruas nesse esforço de mobilização. De Moçambique, Hélio Rubi é um dos cidadãos que disse ter participado nesse movimento desde que fez o exame para detectar o tumor.

“Por acaso, eu tive a oportunidade de fazer o exame de cancro da próstata no ano antepassado. Fui diagnosticado negativo em relação à doença. Mas na minha ótica, percebo que muitos homens, a cada dia que passa, têm tido várias situações do gênero. Então, aconselho a todos a se aproximar para tentar perceber qual é o seu estado.”

Como em outros países, Moçambique tem homens que mencionam a questão da timidez para fazer o exame. Para Ernesto, os esforços para lidar com o câncer de próstata devem continuar além das fronteiras.

“É um tabu muito grande aqui em África. Nós agora só falamos de malária, da sida, da cólera. Agora sobre o cancro como tal, não. Mas as mensagens são várias. Em toda esquina por onde eu passo, eu encontro um panfleto que sensibiliza as pessoas que façam o teste e saibam mais o que é o cancro.”

Já para outro jovem, há necessidade de divulgar mais informação.

Informações

“Sobre o cancro da próstata eu não tenho muita informação para dar. Mas eu tenho acompanhado na televisão. Eu nunca pensei em ir.”

Um sentimento que se vive também em Portugal. Falando à ONU News, o presidente da Associação de Doentes da Próstata, Joaquim Domingos, explica o tabu que existe em torno da doença.

“Em Portugal a maioria dos homens não quer nem ouvir falar em problemas da próstata- E porquê? Porque eles identificam problemas da próstata com problemas na área sexual, com a incapacidade de ter relações sexuais, portanto eles preferem nem pensar no assunto.”

A insegurança para fazer o exame do câncer de próstata é comum em vários pontos do mundo, mesmo apesar da possibilidade de cura quando descoberta no início.

Mas com essa realidade conhecida, a questão é: porque muitos não fazem o exame que permite detectar o tipo de tumor?      

Urologista em Cabo Verde, Mário Frederico trabalha neste campo e sensibiliza a sociedade, em especial os homens do arquipélago, para que deixem essa insegurança para trás.   

Problema

“É do exame de toque retal que a maioria dos homens às vezes tem medo, talvez. Mas eu acho que é o método. Portanto, quando a maioria dos homens procura uma consulta de urologia, às vezes, eles mesmos dizem que o problema é o medo, talvez porque é doloroso. Esse é o principal mito que temos aqui em Cabo Verde.”

Para o médico cabo-verdiano, o teste é uma oportunidade para ganhar tempo e pode permitir que sete em cada 10 pessoas diagnosticadas se “recuperam bem”.

Em todo o mundo, o exame para o câncer da próstata, também chamado de PSA, pode retardar a morte de entre 20% e 30% dos pacientes confirmados.

A ONU News também recolheu relatos sobre o conhecimento de alguns homens em relação à doença e, até que ponto sabem que existe esperança se houver cuidado.

Pressão

De São Tomé e Príncipe, Nelson Silva disse que sabe que partindo de certa idade é preciso que os homens recorram a urologistas para fazerem o exame do câncer da próstata.  

De Angola, Manuel Henriques João disse que essa situação cria muita dificuldade para os homens e que sabe que o câncer da próstata é uma doença que normalmente afeta homens numa idade superior aos 50 anos.

Já o angolano Manuel Pereira declarou que considera a “doença complicada” que cuja maior incidência ocorre nos homens ao atravessaram as cinco décadas de vida.

É mesmo para homens com mais de 50 anos que a Organização Mundial da Saúde recomenda o diagnóstico do câncer da próstata. O tumor nessa glândula é detectado em 13,5% dos doentes de câncer no mundo.

As taxas de mortalidade para o câncer de próstata diante de todos tipos de câncer é a mais alta em 46 países.

Faixa Etária

Conhecer o resultado do chamado exame do PSA oferece a oportunidade de prolongar a vida de várias formas, segundo o especialista do Instituto Nacional do Câncer no Brasil, Ronaldo da Silva.

“Manter uma dieta adequada, uma prática de atividade física regular e manter o peso ideal para diminuir o risco, principalmente, para diminuir o risco de próstata avançado. E diminuir o prognóstico daqueles indivíduos que já tem câncer de próstata, tentar manter uma dieta adequada, o peso dentro da faixa etária daquele indivíduo e manter uma atividade física regular.”

O Brasil vem incluído nas estatísticas das Américas, onde o câncer de próstata é responsável pela morte de 85 mil pacientes e 413 mil novos casos por ano.

UNAIDS
Mariângela Simão, disse que realizar o exame PSA é o passo para o acesso a uma melhor a qualidade de vida com a medicação já disponível.

Medicação

A diretora-geral assistente da OMS para Acesso a Medicamentos e Vacinas, Mariângela Simão, disse que em nível global, realizar o exame PSA é o passo para o acesso a uma melhor a qualidade de vida com a medicação já disponível.

 “Com um diagnóstico precoce, a chance de sobrevida é de muitos anos. Por exemplo, câncer de pulmão a maior parte das vezes quando você diagnostica, ele já está avançado. O câncer de próstata é diferente, tem mais terapêuticas que funcionam.”

Em Portugal, o acesso a este exame é fácil tal como explica Joaquim Domingos.

“O próprio homem, mesmo sem ter indicação médica, pode chegar a um laboratório e dizer “eu quero fazer o PSA” a qualquer hora do dia. O homem não tem de ir em jejum, tiram-lhe sangue passado dois ou três dias dão-lhe o resultado.”

 

 

 

*Colaboração de Ouri Pota, de Moçambique, e Amatijane, da Guiné-Bissau, para ONU News. 

 

 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conheça as 10 ameaças à saúde que a ONU combaterá em 2019

A Organização Mundial da Saúde reuniu uma lista dos maiores desafios que o mundo enfrenta este ano; ebola, poluição, resistência antimicrobiana, dengue e vacinação estão entre os principais.

Mortes por câncer devem atingir número recorde de 9,6 milhões este ano

Novos casos da doença terão subido para 18,1 milhões; cânceres de pulmão, mama e colorretal são os mais comuns; taxas de incidência em países mais avançados são até três vezes maiores do que em países com desenvolvimento baixo ou médio.