Satélites ajudam pastores do Sahel a encontrar água
BR

18 janeiro 2019

No Mali, cerca de 21 mil pessoas estão usando sistema que fornece informações como disponibilidade de água, alimentos e preços de cereais e gado nos mercados locais; projeto deve expandir-se para outras regiões.

Um servico de telefones móveis chamado Garbal está ajudando cerca de 21 mil pastores do Mali a encontrar locais com água para os seus rebanhos.

Na região do Sahel, na África subsariana, as alterações climáticas causam períodos de seca mais longos e frequentes, que ameaçam a capacidade de sobrevivência dos pastores. Durante a estação seca, os pontos de água doce são escassos e muitos animais correm o risco de morrer.

Os países da região do Sahel estão entre os mais afetados, by Ocha/Otto Bakano

Satélite

A Agência da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma, diz que “os pastores podem caminhar centenas de milhares de quilômetros até encontrar um ponto de água adequado.”

Outra hipótese é pagar a um emissário para verificar o próximo destino, o que pode demorar vários dias ou até semanas, se a viagem for feita de camelo. O chefe de programas da Organização Não Governamental, ONG, Tassaght, Abdoul Alwaly, diz que isso “é caro, lento e arriscado.”

Segundo o Pnuma, usando imagens de satélite, as informações sobre água e cobertura vegetal estão disponíveis em tempo real, com enormes benefícios para os pastores, economizando tempo, dinheiro e, potencialmente, seu gado.

O serviço Garbal foi estabalecido em novembro de 2017 pelo projeto de Adaptação Tecnológica Sustentável para Pastores do Mali, Stamp, para melhorar a resiliência dos pastores à mudança climática através do acesso e uso de dados de satélite.

Apesar disso, as imagens de satélite não são suficientemente completas. O projeto precisou recrutar moradores para verificar a qualidade e relevância das informações. Por exemplo, uma fonte de água que aparece no mapa pode durar apenas alguns dias, menos tempo do que um pastor levaria para para chegar ao local.

Alwaly explica que a equipa trabalhou “com os líderes das comunidades para selecionar algumas pessoas por local, depois deu formação sobre como reunir dados e enviá-los para validação.”

Satisfação

Para usar o serviço, os usuários enviam um pedido para um banco de dados e recebem informações como a disponibilidade de água, de alimentos e os preços de cereais e gado nos mercados locais.

A seca afeta a criação de gado, by Ocha/Eve Sabbagh

Na primeira fase, o serviço foi altamente bem-sucedido, com 98% dos usuários satisfeitos ou muito satisfeitos com o serviço e 97,6% elogiando a precisão das informações.

Alwaly diz que, devido ao sucesso, o projeto deve expandir para outras regiões do Mali e adicionar serviços relevantes para os pastores, como aconselhamento sobre saúde animal e produtos financeiros digitais."

Nações Unidas

A especialista em água doce do Pnuma, Lis Mullin Bernhardt, diz que “projetos como este são um ótimo complemento para o trabalho da ONU sobre gestão de ecossistemas de água doce e para ajudar comunidades afetadas por secas severas.”

Segundo ela, “a escassez de água é um dos desafios mais prementes de hoje, e garantir acesso a fontes de água abundantes, seguras e limpas é um grande desafio, particularmente em ambientes áridos e semiáridos.”

Além disso, a especialista diz que a ONU considera “as imagens de satélite uma ferramenta poderosa para ajudar os países a monitorar e implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS.”

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

COP24: a Grande Muralha Verde que deve atravessar a África

Iniciativa tem ambição de construir um “muro” de árvores de oeste a leste do continente africano; objetivo é transformar a vida de milhares de pessoas que sofrem com desertificação e mudança climática nas regiões do Sahel e do Saara.

Sahel: subnutrição aguda em crianças atinge maior nível dos últimos 10 anos

65% do orçamento do Unicef na região ainda está em falta;  subnutrição crónica atinge níveis de emergência devido a degradação das terras, secas periódicas, pobreza e crescimento da população.