Pelo menos 890 pessoas morreram em confrontos de dezembro na RD Congo

As mortes aconteceram no território Yumbi, na província de Mai-Ndombe, alegadamente, na sequência de confrontos entre as comunidades Banunu e Batende.
Acnur/ Ley Uwera
As mortes aconteceram no território Yumbi, na província de Mai-Ndombe, alegadamente, na sequência de confrontos entre as comunidades Banunu e Batende.

Pelo menos 890 pessoas morreram em confrontos de dezembro na RD Congo

Direitos humanos

Escritório de Direitos Humanos diz que cerca de 465 casas e prédios foram incendiados ou saqueados devido à violência intercomunitária;  ONU e autoridades do país realizam investigações.

O Escritório de Direitos Humanos da ONU revelou esta quarta-feira que, segundo alegações de fontes credíveis, pelo menos 890 pessoas foram mortas entre 16 e 18 de dezembro passado em quatro aldeias na República Democrática do Congo, RD Congo.

As mortes aconteceram no território Yumbi, na província de Mai-Ndombe, alegadamente, na sequência de confrontos entre as comunidades Banunu e Batende.

Investigação

Relatórios sugerem que pelo menos 82 pessoas também ficaram feridas nos ataques, mas estima-se que o número real de vítimas deve ser maior.

Cerca de 465 casas e prédios foram incendiados ou saqueados, incluindo duas escolas primárias, um centro de saúde, um posto de saúde, um mercado e o escritório da Comissão Nacional Independente Eleitoral, Ceni. A maior parte da população das aldeias afetadas foi deslocada, incluindo cerca de 16 mil pessoas que procuraram refúgio atravessando o rio Congo para a República do Congo.

O Escritório de Direitos Humanos da ONU lançou uma investigação sobre esses relatórios. As autoridades judiciais nacionais também iniciaram uma investigação.

Justiça

Para a alta comissária, deve ser apurado o uso excessivo da força pelas autoridades.
A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, afirmou que “é crucial que essa violência chocante seja prontamente investigada."Foto ONU// Jean-Marc Ferré

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, afirmou que “é crucial que essa violência chocante seja prontamente investigada e que os criminosos sejam levados à justiça". A representante acrescentou que “é essencial garantir justiça para as vítimas desses ataques horríveis, mas também para prevenir novos episódios de conflitos intercomunitários.”

A alta comissária ofereceu ainda o aconselhamento e o apoio do Escritório de Direitos Humanos da ONU na condução de investigações, bem como nos esforços para prevenir a repetição de tal violência.