Bolsonaro apresenta na ONU um “novo Brasil” BR

Presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, em discurso na 76a Assembleia Geral das Nações Unidas
UN Photo/Cia Pak
Presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, em discurso na 76a Assembleia Geral das Nações Unidas

Bolsonaro apresenta na ONU um “novo Brasil”

Assuntos da ONU

Presidente brasileiro afirmou ser contra qualquer obrigatoriedade da vacina de Covid-19; posição do governo é contra passaporte sanitário; Jair Bolsonaro falou da em criação de 1,8 milhão de empregos e declarou que não existe corrupção na administração há quase três anos.  

O presidente do Brasil foi o primeiro chefe de Estado a discursar na abertura da 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, nesta terça-feira, 21 de setembro. 

Em Nova Iorque, Jair Bolsonaro disse que estava apresentando um “novo Brasil”, que seria diferente daquilo que é “publicado em jornais ou visto em televisões”. 

“Estamos há dois anos e oito meses sem qualquer caso concreto de corrupção. Nossas estatais davam prejuízos de bilhões de dólares, hoje são lucrativas.” 

Leilão 5G  

Íntegra do discurso do presidente do Brasil na 76ª Assembleia Geral

 

Segundo Bolsonaro, a credibilidade do país já foi recuperada e mencionou US$ 100 bilhões em novos investimentos. Cerca de US$ 6 bilhões  foram gerados em contratos privados para ferrovias e o leilão para a implementação da tecnologia 5G no país, que será realizado em breve. 

Esta foi a terceira vez que o presidente do Brasil discursou na Assembleia Geral da ONU. Jair Bolsonaro afirmou que o Código Florestal brasileiro deve “servir de exemplo para outros países” e convidou os líderes mundiais para visitarem a Amazônia. 

Tweet URL

Auxílio financeiro durante lockdown  

Sobre a crise mundial de refugiados, Bolsonaro lembrou que o Brasil já acolheu 400 mil venezuelanos e que agora, irá conceder “visto humanitário para cristãos, mulheres, crianças e juízes” do Afeganistão.  

O presidente destacou que a pandemia de Covid-19 “pegou a todos de surpresa em 2020”. Ele lamentou todas as mortes ocorridas no Brasil e no mundo e afirmou que sempre defendeu “combater o vírus e o desemprego de forma simultânea”. 

“No Brasil, para atender àqueles mais humildes, obrigados a ficar em casa por decisão de governadores e prefeitos e que perderam sua renda, concedemos um auxílio emergencial de US$ 800 para 68 milhões de pessoas em 2020.” 

Jair Bolsonaro afirmou ainda que foram criados 1,8 milhão de novos empregos no Brasil este ano.  

Ainda sobre a Covid-19, o presidente afirmou que o Governo Federal distribuiu mais de 260 milhões de doses de vacina e que 90% da população adulta já recebeu, pelo menos, a primeira dose. 

Passaporte sanitário  

“80% da população indígena também já foi totalmente vacinada. Até novembro, todos que escolheram ser vacinados no Brasil, serão atendidos. Apoiamos a vacinação, contudo o nosso governo tem se posicionado contrário ao passaporte sanitário ou a qualquer obrigação relacionada à vacina.” 

O presidente Jair Bolsonaro disse ainda que não entende como muitos países são “contrários ao tratamento precoce” em casos positivos de Covid-19. Ele encerrou o discurso na Assembleia Geral afirmando que o “Brasil vive novos tempos” e que na economia, tem um dos “melhores desempenhos” entre nações emergentes.