Números da Covid-19 baixam no Brasil, mas OMS adverte para possível reversão  BR

Pesquisas foram feitas com quase 11 mil pacientes hospitalizados com Covid-19, em 28 países
Banco Mundial/Henitsoa Rafalia
Pesquisas foram feitas com quase 11 mil pacientes hospitalizados com Covid-19, em 28 países

Números da Covid-19 baixam no Brasil, mas OMS adverte para possível reversão 

Saúde

Tendência também é observada na região amazônica; algumas cidades brasileiras indicam redução nas hospitalizações entre os idosos; Américas e Caribe registram mais da metade das mortes no mundo; região notificou mais de 1,5 milhão de novos casos e quase 40 mil mortes na última semana. 

No fim de semana, o mundo atingiu um marco trágico, com mais de 3 milhões de pessoas perdendo suas vidas para a Covid-19. E quase metade dessas mortes aconteceu na região das Américas e Caribe.  

A informação foi compartilhada pela diretora da Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, Carissa Etienne. 

Situação 

Falando a jornalistas em Washington, ela disse que “por trás de cada morte está uma vida interrompida e o sofrimento inimaginável de famílias e entes queridos.” Para ela, isso é um lembrete de que se deve fazer mais, pois o vírus continua sendo uma ameaça em todos os cantos da região. 

O alerta foi feito pela diretora-geral da Opas, Carissa Etienne
OMS/C. Black
O alerta foi feito pela diretora-geral da Opas, Carissa Etienne

Na última semana, a região notificou mais de 1,5 milhão de novos casos e quase 40 mil mortes. 

Após meses difíceis, o Brasil está notificando uma descida, inclusive na região amazônica. Etienne afirmou, no entanto, que “os casos permanecem alarmantes em todo o país e alguns municípios têm sido rápidos em aliviar as restrições, então é provável que essas tendências sejam revertidas.” 

Vacinas 

Etienne contou que a Opas continua com sistemas de vigilância para ver como os medicamentos e vacinas afetam as populações. Segundo ela, os relatos de efeitos colaterais inesperados são muito raros e as decisões de órgãos reguladores apenas mostram que os sistemas de vigilância estão funcionando.  

Ela afirma que “as vacinas estão salvando vidas e contribuirão para controlar a transmissão em um futuro próximo, quando se alcançar uma alta cobertura de imunização.” 

Em Israel, os imunizantes já estão ajudando a reduzir as infecções e dados iniciais do Chile e de algumas cidades do Brasil indicam uma redução nas hospitalizações entre os idosos.  

Até o momento, a Opas já ajudou distribuir mais de 4,2 milhões de doses em 29 países. Milhões serão lançadas nas próximas semanas.  

Lembrando que, próxima semana, a Opas celebra a Semana Mundial de Imunização, Etienne disse que a região precisa de mais doses e precisa que os países administrem rapidamente as doses que têm. Também é necessário construir confiança nas comunidades. 

Informação 

A chefe da Opas também destacou a necessidade informações confiáveis, dizendo que, por mais de um ano, o mundo foi inundado com notícias e informações sobre o vírus.  

#Verificado – Nações Unidas contra a desinformação

Ela lembra que a ciência é um processo colaborativo e em evolução e, por isso, a Opas continua realizando coletivas de imprensa para compartilhar as informações confiáveis mais recentes.  

Etienne afirma que “nem todas as fontes são dignas de confiança e rumores insidiosos e teorias da conspiração continuam se espalhando, causando medo e custando vidas.” 

Segundo a diretora, hoje, “a desinformação é uma das mais graves ameaças à saúde pública.” 

Por isso, o braço regional da OMS está colaborando com empresas de tecnologia como Twitter, Google e Facebook para abordar notícias falsas e garantir que o público possa encontrar facilmente informações precisas 

Segundo ela, “todos têm um papel a cumprir para impedir que esses rumores se propaguem online ou em conversas.”  

Antes de compartilhar algo, todos devem verificar a fonte e confirmar se a informação é verdadeira. Se tiverem dúvidas, não devem compartilhar.