Novos testes rápidos de Covid-19 podem transformar resposta nas Américas 
BR

16 outubro 2020

Organização Pan-Americana da Saúde irá distribuir milhões de testes nas próximas semanas, permitindo diagnósticos urgentes, precisos e em lugares remotos; região já teve mais de 18 milhões de casos do novo coronavírus e quase 600 mil mortes.

Os novos testes rápidos ​​e portáteis de Covid-19 recentemente aprovados pela Organização Mundial da Saúde, OMS, podem transformar a resposta contra a pandemia na América Latina e Caribe. 

A afirmação é da diretora da Organização Pan-Americana da Saúde, Opas. Segundo Carissa Etienne, os testes permitirão que os profissionais de saúde realizem testes precisos e rápidos, mesmo em comunidades remotas.  

Chefe da Opas, Carissa Etienne, destacou vantagens de novos testes, by OMS/C. Black

Acesso

Nesse momento, a Opas já pode fornecer acesso a centenas de milhares desses testes a um preço acessível por meio do seu Fundo Estratégico. Milhões são esperados nas próximas semanas. 

Ao contrário dos testes rápidos anteriores de anticorpos, que geralmente dão um resultado negativo durante os estágios iniciais da infecção, os novos testes rápidos são muito mais precisos. 

Segundo Carissa Etienne, os profissionais de saúde poderão gerenciar melhor os casos, isolando os pacientes, evitando disseminação e começando o tratamento imediatamente.  

Etienne disse que os testes serão particularmente úteis em áreas de difícil acesso, onde não existe fácil acesso a um laboratório e que foram desproporcionalmente afetadas pela pandemia. 

Estudo 

A Opas também está conduzindo estudos-piloto em quatro países para ajudar a aproveitar ao máximo esses novos diagnósticos.  

O escritório está observando de perto como os testes são usados no Equador, El Salvador, México e Suriname. Os dados coletados ajudarão os países dentro e fora da região a aproveitar ao máximo os novos diagnósticos. 

Entretanto, a Opas também começou a ajudar os países a implementar novos protocolos de teste para que os profissionais de saúde saibam como usar os novos diagnósticos e relatar seus resultados. 

A diretora pediu que as autoridades nacionais levem os novos testes até os hospitais e clínicas de saúde que estão na linha de frente da luta contra o vírus, mas avisou que “nenhuma inovação é uma panaceia.”, disse ela. 

Campanha contra a Covid-19 na Venezuela, Ocha/Gema Cortes

Situação 

Até esta quinta-feira, mais de 18 milhões de casos de Covid-19 e quase 600 mil mortes tinham sido relatadas na região.  

O Canadá está enfrentando uma segunda onda e na Argentina os casos continuam a acelerar. O Caribe está registrando um grande número de casos e, em muitos países, a pandemia também se espalhou para áreas menos povoadas. 

Etienne disse ainda que “os novos testes vão capacitar profissionais de saúde, estejam eles trabalhando no meio da Amazônia ou em um centro urbano, para diagnosticar e cuidar de pacientes imediatamente, impedindo novas infecções.” Segundo ela, “isso pode mudar o jogo.” 

A chefe da Opas disse que os países devem continuar aderindo às medidas de saúde pública para prevenir a propagação do vírus, como testar e isolar os casos e rastrear contatos para evitar novas infecções. 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Pandemia interrompeu calendário de imunização em metade da América Latina

Organização Pan-Americana da Saúde alerta sobre perigo de novos surtos de sarampo, catapora, rubéola, difteria e outras doenças por falta da vacina; médico brasileiro e vice-diretor-geral da Opas afirma que crianças estão sob risco.