Em Dia Internacional, ONU pede fim do legado de escravidão no mundo
BR

25 março 2021

Tráfico transatlântico de escravos existiu por mais de 400 anos, afetando mais de 15 milhões de homens, mulheres e crianças; secretário-geral diz que as vítimas contribuíram para a cultura, o conhecimento e a economia dos países para os quais foram levados à força.

As Nações Unidas marcam, neste 25 de março, o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Tráfico Transatlântico de Escravos. 

“Acabando com o Legado de Racismo da Escravidão: Um Imperativo Global de Justiça” é o tema deste ano.

Herança

A data ressalta o movimento global para acabar com injustiças que têm raízes no comércio de escravos e a importância da educação para reconhecer o impacto desta história no mundo moderno e como lidar com seus efeitos duradouros.

No total, mais de 15 milhões de homens, mulheres e crianças foram transportados através do Atlântico. 

Em vídeo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a data homenageia “a memória de milhões de afrodescendentes que sofreram com o brutal sistema de escravidão e com o tráfico transatlântico de escravos.”

Segundo ele, “este comércio criou e sustentou um sistema global de exploração que existiu por mais de 400 anos, arrasando famílias, comunidades e economias.”

Foto: ONU/Rick Bajornas.
A Arca do Retorno, o memorial permanente para honrar as vítimas da escravidão e do comércio transatlântico de escravos, na entrada da sede da ONU em Nova Iorque.

Homenagem

Guterres lembra “a resiliência daqueles que suportaram as atrocidades cometidas por traficantes e proprietários de escravos” e reconhece “os imensos contributos que homens, mulheres e crianças escravizados deram à cultura, ao conhecimento e à economia dos países para os quais foram transportados.”

O comércio transatlântico de escravos terminou há mais de dois séculos, mas para o chefe da ONU, “as ideias de supremacia branca que o sustentavam permanecem vivas.”

Ele afirma que o mundo deve “acabar com o legado dessa mentira racista” e trabalhar em conjunto “para enfrentar as consequências perniciosas e persistentes da escravidão e do comércio transatlântico de escravos.”

Para Guterres, isso pode ser feito renovando a determinação em combater o racismo, a injustiça e as desigualdades e construindo comunidades e economias inclusivas, onde todos possam viver em paz com dignidade e oportunidades.”
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres diz que eliminar racismo é “um desafio e uma luta para todos” 

Secretário-geral foi um dos participantes de uma reunião sobre o tema, junto com presidente da África do Sul, vice-presidente da Costa Rica e comissária Europeia para a Igualdade; chefe da ONU afirmou que, durante a pandemia, “os que já estavam para trás estão ficando ainda mais para trás.” 

Historiadora fala sobre “as lições que o mundo precisa aprender” em relações raciais

A acadêmica brasileira Ana Lúcia Araújo, autora do livro Slavery in the Age of  Memory, ou Escravidão na Era da Memória, falou à ONU News sobre o poder da educação na desconstrução de estereótipos e preconceitos; ela aborda temas como racismo, escravatura, escravidão e seus efeitos.