Guterres diz que eliminar racismo é “um desafio e uma luta para todos” 
BR

18 fevereiro 2021

Secretário-geral foi um dos participantes de uma reunião sobre o tema, junto com presidente da África do Sul, vice-presidente da Costa Rica e comissária Europeia para a Igualdade; chefe da ONU afirmou que, durante a pandemia, “os que já estavam para trás estão ficando ainda mais para trás.” 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse esta quinta-feira que “o racismo assola o mundo” e deve ser condenado “sem reservas, sem hesitação, sem qualificações”. 

O chefe da ONU afirmou, no entanto, que o mundo tem “um longo caminho a percorrer” e que esse “é um desafio e uma luta para todos.” 

Evento 

António Guterres foi um dos participantes de uma reunião com o tema “Reimaginando a Igualdade: Eliminando o racismo, a xenofobia e a discriminação para todos na Década de Ação dos ODS”.  

Secretário-geral lembra que a resposta à Covid-19 evidencia o grande poder da liderança feminina
Reprodução
Secretário-geral lembra que a resposta à Covid-19 evidencia o grande poder da liderança feminina

O encontro foi organizado pelo Conselho Econômico e Social da ONU, Ecosoc, e Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais, Desa. 

Além de Guterres e do presidente do Ecosoc, participaram o Chefe de Estado da África do Sul, Cyril Ramaphosa, o vice-presidente da Costa Rica, Epsy Campbell Barr, e a comissária europeia para a Igualdade, Helena Dalli.  

Consequências 

Segundo António Guterres, “o racismo e a desigualdade racial ainda permeiam instituições, estruturas sociais e a vida cotidiana.” 

Ele diz que isso acontece porque muito do racismo está profundamente enraizado em séculos de colonialismo e escravidão. Além disso, a injustiça racial, especialmente contra os afrodescendentes, causou traumas profundos e sofrimento intergeracional. 

Para o chefe da ONU, o mundo deve “fazer mais do que apenas condenar expressões e atos de racismo.” 

Guterres explica que “enfrentar o racismo não é um exercício único”, porque este é “um fenômeno cultural complexo e combatê-lo exige ação todos os dias, em todos os níveis.” 

O secretário-geral lembrou a opinião de vários observadores de que o mundo está entrando em uma era pós-iluminismo.  

Protesto de jovens pedindo pelo fim do racismo.
Antonio Dourado
Protesto de jovens pedindo pelo fim do racismo.

Ele disse que “os valores dessa era, a primazia da razão, tolerância e respeito mútuo, estão se esvaindo.” Em seu lugar, existe “um crescente nacionalismo, populismo, xenofobia, supremacia branca e Neo-nazismo.” 

Para Guterres, “o racismo é o coração desta irracionalidade.” 

Discriminação 

O secretário-geral também destacou dimensões racistas ou discriminatórias no crescente antissemitismo, ódio anti-muçulmano, maus-tratos a cristãos minoritários e outras formas de intolerância e xenofobia em todo o mundo. 

Segundo ele, há uma forte dimensão social e econômica neste problema. Isso pode ser visto em oportunidades limitadas de educação e emprego, acesso à saúde e justiça. 

A pandemia de Covid-19 expôs essas desigualdades. O chefe da ONU realçou que em alguns casos, as taxas de mortalidade são até três vezes mais altas para os grupos marginalizados. 

O impacto da pandemia também é agravado pela intersecção de formas de discriminação, como gênero, idade, classe, casta, religião, deficiência, orientação sexual, bem como status minoritário, econômico e legal. 

Para o secretário-geral, “os que já estavam para trás estão ficando ainda mais para trás.” Durante a recuperação, António Guterres diz que é necessário um novo contrato social baseado na inclusão e na sustentabilidade. 

Protestos ao redor do mundo, como este em Nova Iorque, marcaram o movimento Vidas Negras Importam em 2020 um aumento de casos de uso excessivo da força por agentes da lei.
ONU/Evan Schneider
Protestos ao redor do mundo, como este em Nova Iorque, marcaram o movimento Vidas Negras Importam em 2020 um aumento de casos de uso excessivo da força por agentes da lei.

À medida que as sociedades se tornam cada vez mais multiétnicas, multirreligiosas e multiculturais, o chefe da ONU afirma que são precisos mais investimentos “para aproveitar os benefícios da diversidade em vez de vê-la como uma ameaça.” 

Nações Unidas 

Dentro da Organização das Nações Unidas, o secretário-geral também pediu que fossem tomadas medidas para detectar, prevenir e combater casos de racismo e discriminação racial  

No ano passado, Guterres lançou uma campanha de diálogo e ação contra o racismo e para promover a dignidade de todos. Essas atividades são supervisionadas por uma equipe especial para a erradicação do racismo e a promoção da dignidade das pessoas.  

Nesse momento, o grupo está preparando um plano de ação estratégico de longo prazo, que deve ser apresentado em setembro.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud