Um em cada 10 tem sequelas três meses após contrair novo coronavírus 
BR

26 fevereiro 2021

Organização Mundial da Saúde, OMS, recomenda cuidados continuados e prolongados a esses pacientes; casos de fadiga severa e aumento do risco de danos ao coração, pulmões e cérebro, são algumas das consequências.  

A Organização Mundial da Saúde, OMS, alertou para os efeitos a longo termo da Covid-19, dizendo que as pessoas que sofrem com essas consequências precisam de cuidados continuados e prolongados. 

Segundo um novo resumo de políticas da OMS e do Observatório Europeu de Sistemas e Políticas de Saúde, cerca de uma em cada 10 pessoas tem problemas de saúde persistentes 12 semanas após ter Covid-19.  

Respostas 

O novo documento destaca as respostas em diferentes países europeus e analisa como os pacientes, incluindo profissionais de saúde, estão conduzindo algumas dessas respostas. 

O diretor-geral da OMS para a Europa, Hans Henri P. Kluge, disse que estes casos longos são “um motivo extra de preocupação.” 

OPS/Karen Gonzalez
Aplicativo está oferecendo 10 milhões de corridas gratuitas em todo o mundo ou com desconto para quem vai se vacinar e não pode pagar pelo trajeto

Kluge informou que a agência “não tem todas as respostas e não sabe que porcentagem dos doentes sofre de efeitos a longo prazo”, mas está recolhendo essas informações rapidamente.  

Para ele, essa deve ser “uma prioridade clara” da OMS e dos sistemas de saúde. 

Dificuldades 

As pessoas afetadas reclamaram de estigmas e se dizem incapazes de acessar e navegar pelos serviços. Elas têm lutado para que seus casos sejam levados a sério, mas os cuidados especializados são quase sempre inacessíveis. Existem também problemas de acesso a prestações por doença e incapacidade. 

Associações de pacientes estão pedindo o reconhecimento desses impactos, sejam médicos, psicológicos ou sociais, e uma maior conscientização entre todos os profissionais de saúde. 

Sintomas 

Segundo a OMS, esta realidade ainda não é totalmente compreendida, mas inclui um conjunto de sintomas físicos preocupantes. 

A agência destaca casos de fadiga severa e aumento do risco de danos ao coração, pulmões e cérebro. Segundo os dados, um quarto das pessoas com Covid-19 sofre de sintomas entre quatro a cinco semanas após o teste positivo. 

Tudo isso pode impactar a capacidade das pessoas de trabalhar e desfrutar de uma boa qualidade de vida. Segundo a OMS, já existem informações suficientes para definir políticas de saúde. 

UNICEF
A pandemia está mais ativa do que nunca, com média semanal de 1 milhão de novos casos nas Américas.

A agência recomenda abordagens multidisciplinares, novas vias de atendimento, serviços apropriados, incluindo reabilitação, envolvimento de pacientes para promover autocuidado e criação de sistemas de vigilância.  

Futuro 

O resumo de políticas alerta, no entanto, que são necessários mais estudos coordenados, multidisciplinares, nacionais e internacionais para compreender o impacto clínico das condições pós-Covid-19.  

A autora principal do documento, Selina Rajan, disse que a pandemia “demonstrou a importância de envolver os pacientes na pesquisa”, mas que “ainda há muito a ser compreendido sobre as consequências de longo prazo das infecções em crianças e adultos, e as intervenções necessárias para tratá-las.” 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Opas: Américas não podem baixar a guarda contra Covid-19 após queda de casos

Apelo é da diretora-geral da Organização Pan-Americana da Saúde, Carissa Etienne; segundo ela, a redução de 30% no nível de novas infecções se deve a menos notificações e mais imunizações nos Estados Unidos e outras partes da América do Norte; quedas no Brasil, Colômbia e Equador são de 4%.