Covid-19: OMS cita escassez de equipamentos para profissionais de saúde
BR

3 março 2020

Estimativa da Organização Mundial da Saúde é de que, por mês, serão necessárias 89 milhões de máscaras para a resposta à nova cepa do coronavírus; preço do produto subiu seis vezes; até a manhã desta terça-feira, em Genebra, haviam 90.893 casos relatados e 3.110 mortes.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, afirmou que a crescente interrupção no fornecimento de equipamentos de proteção individual, EPI, ameaça a resposta ao covid-19.

O aumento da demanda, acumulação e uso indevido desses equipamentos está causando uma escassez no mercado.

Na sede das Nações Unidas em Nova York, funcionários recebem orientações sobre o uso de máscaras faciais. Foto: ONU/Loey Felipe

Casos

Até a manhã desta terça-feira, em Genebra, haviam sido notificados 90.893 casos do novo coronavírus e 3.110 mortes.

Nas últimas 24 horas, a China registrou 129 casos, o menor número desde 20 de janeiro. Mas fora do país asiático, as infecções continuam aumentando. Já são 1.848 no total.

Fora da China, 80% das novas contaminações ocorreram em apenas três nações: República da Coréia, Irã e Itália. Ao todo, 64 países já registraram casos.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, voltou a falar a jornalistas na sede da OMS.

Tedros contou que a escassez de itens de proteção individual, como máscaras, “está deixando médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde da linha de frente do risco mal equipados para cuidar de pacientes com covid-19."

Ele afirmou que existe um “acesso limitado a suprimentos como luvas, máscaras cirúrgicas, respiradores, óculos, protetores faciais e aventais.”

Profissionais de Saúde

O chefe da OMS alertou que não é possível parar o covid-19 sem proteger os profissionais de saúde.   Segundo ele, “os preços das máscaras cirúrgicas aumentaram seis vezes, os respiradores N95 mais do que triplicaram” e as roupas de proteção custam agora até o dobro.

Segundo o chefe da OMS, esses produtos podem levar meses para serem entregues, e os estoques geralmente são vendidos a quem paga mais alto.  Ele informou que a agência da ONU “já enviou quase meio milhão de aparelhos de proteção individual para 27 países, mas os suprimentos estão se esgotando rapidamente.”

Racionalização

A OMS estima que, por mês, serão necessárias 89 milhões de máscaras cirúrgicas para responder ao vírus.  Também deverão ser utilizadas 76 milhões de luvas de exame e 1,6 milhão de óculos de proteção.

A agência da ONU coopera com “governos, fabricantes e a Rede de Cadeia de Suprimentos Pandêmica para aumentar a produção e garantir suprimentos aos países afetados e em risco crítico.”

Com a obtenção de novos dados, está sendo possível entender melhor a doença. Ele destacou que “este vírus não é Sars, não é Mers e não é influenza”, e que ele é “um vírus sui generis, com características únicas.”

Para Tedros, “tanto o Covid-19 quanto a gripe causam doenças respiratórias e se espalham da mesma maneira, através de pequenas gotas de líquido do nariz e da boca do doente.” E que existem algumas diferenças importantes entre o Covid-19 e a gripe.

Imagem microscópica digitalmente aprimorada mostra em azul uma infecção por coronavírus. Foto: CDC/Hannah A Bullock/Azaibi Tami

Diferenças

Tedros explicou que “com a gripe, pessoas infectadas, mas ainda não doentes, são os principais fatores de transmissão, o que não parece ser o caso do covid-19.”

A segunda diferença é que  “o covid-19 causa doenças mais graves que a gripe sazonal.” Tedros disse que o covid-19 é um novo vírus ao qual ninguém tem imunidade, e por isso, mais pessoas “são suscetíveis à infecção e algumas sofrerão doenças graves.”

Globalmente, cerca de 3,4% dos casos relatados do novo coronavírus foram letais. Em comparação, a gripe sazonal mata menos que 1% das pessoas infectadas.

Vacinas

Para o diretor-geral da OMS, a terceira diferença são vacinas e tratamento para a gripe sazonal. Até o momento, isso não existe para o covid-19. Ele lembrou que, no entanto, “estão sendo realizados ensaios clínicos de terapêutica e mais de 20 vacinas estão em desenvolvimento.”

A quarta diferença é que a contenção para a gripe sazonal não é possível, mas o é para o covid-19, e é por tudo isso que “a OMS recomenda uma abordagem abrangente”.

América Latina

A OMS voltou a enfatizar que ainda não é o momento para declarar uma pandemia. Ao falar sobre a América Latina, Tedros explicou que, no momento, existem três cenários.

O de países sem casos ou com poucos. O segundo: com grupos de casos, e o terceiro ocorre em Estados que já apresentam transmissão entre grupos locais.

A categoria em que a OMS coloca a América Latina e o Caribe até o momento é a primeira, sendo que a recomendação para a área é de contenção do vírus.

Dados da agência indicam que atualmente, o Equador tem sete casos confirmados, o México cinco, o Brasil dois e a República Dominicana: um.

O chefe da agência afirmou que os países da região devem “fazer contenção agressiva enquanto o número de casos for baixo” e ao mesmo tempo, preparar-se “para qualquer eventualidade porque esse vírus é desconhecido e tudo pode acontecer.”

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud