Estado de direito na Nicarágua segue se deteriorando, diz alta comissária da ONU
BR

26 fevereiro 2021

Em reunião no Conselho de Direitos Humanos, Michelle Bachelet apresentou relatório anual sobre o país latino-americano; crise iniciada em abril de 2018 foi agravada pela Covid-19 e pela passagem dos furacões Eta e Iota.

A situação dos direitos humanos na Nicarágua piorou no último ano. O país, que deve realizar eleições gerais em 7 de novembro, tem sofrido também uma deterioração do Estado de direito.

Unicef/Tadeo Gómez
Crianças em Puerto Cabezas, na Nicarágua

Diálogo

A declaração é da alta comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet.

Nesta quinta-feira, ela comentou a crise nicaraguense na reunião do Conselho de Direitos Humanos, onde apresentou o relatório anual do país centro-americano.

No diálogo interativo, ela contou que a situação foi agravada pela pandemia da Covid-19 e pelos estragos dos furacões Eta e Iota, que arrasaram o país.

Bachelet admitiu que o governo da Nicarágua tem se esforçado para aumentar os gastos com previdência social e conter o impacto da crise econômica.

Ao assumir a palavra, o governo da Nicarágua rejeitou o relatório de Bachelet como “unilateral, subjetivo e tendencioso”.

Liberdade de expressão

Outros países que participaram do debate manifestaram preocupação com legislações que limitam a participação política e reduzem a liberdade de expressão nas eleições futuras.

Denúncias de prisão arbitrária e violações estão travando o diálogo político. Membros do Conselho de Direitos Humanos que apoiam o regime nicaraguense disseram que a realização da reunião no órgão era fruto de resoluções motivadas politicamente.

© PMA
Moradores de Puerto Cabezas, a principal cidade da região norte da Nicarágua, após a passagem do furacão Eta.

Canadá e União Europeia

Canadá também falou na reunião em nome de um grupo de países, assim como Suécia, Rússia, Equador, Venezuela, Cuba, Alemanha e outros.

Organizações da sociedade civil discursaram sobre o tema incluindo a Anistia Internacional e a Organização Mundial Contra a Tortura.

O Conselho de Direitos Humanos defende a presença de um Escritório na Nicarágua para acompanhar de perto a situação no país e ter mais contato direto com autoridades da nação centro-americana e a sociedade civil.

A crise política começou em abril de 2018 e foi agravada nos últimos meses por desastres naturais e pela pandemia do novo coronavírus.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

América Central: número de pessoas com fome é quatro vezes maior que em 2018

Dados do Programa Mundial de Alimentos alertam para El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua; região precisa de mais de US$ 47 milhões para socorrer 2,6 milhões de pessoas nos próximos seis meses. 

Relatório da ONU aponta desigualdade em nutrição em países da AL e Caribe

Região tem graves problemas com taxas de baixo crescimento e de sobrepeso em crianças; pandemia piorou insegurança alimentar que já era séria em muitas áreas e territórios da região; estudo foi assinado por FAO, OMS/Opas, Ifad, Unicef e PMA.