Vacinas Covid-19: Guterres pede solidariedade perante avanço “extremamente desigual e injusto”  
BR

17 fevereiro 2021

Secretário-geral disse ao Conselho de Segurança que apenas 10 países administraram 75% de todas as vacinas contra a Covid-19; mais de 130 nações não receberam uma única dose; Unicef pede pausa humunitária durante campanha de imunização.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse esta quarta-feira que, neste momento crítico, “a igualdade da vacina é o maior teste moral perante a comunidade global.” 

O chefe da organização participou em um encontro do Conselho de Segurança sobre garantia de acesso às vacinas contra a Covid-19 em locais afetados por conflito e insegurança.  

Progresso 

Segundo António Guterres, “o progresso na vacinação tem sido extremamente desigual e injusto.” 

Apenas 10 países administraram 75% de todas as vacinas. Enquanto isso, mais de 130 Estados não receberam uma única dose. 

Reprodução
Secretário-geral lembra que a resposta à Covid-19 evidencia o grande poder da liderança feminina

Segundo ele, “as pessoas afetadas por conflitos e insegurança correm o risco particular de ficar para trás.” 

Guterres lembrou que, se o vírus se espalhar no Sul Global, sofrerá mutações e as novas variantes podem se tornar mais transmissíveis, mais mortais e ameaçar a eficácia das vacinas.  

Segundo ele, “isso pode prolongar a pandemia significativamente, permitindo que o vírus volte para atormentar o Norte Global” e “atrasará a recuperação econômica mundial.” 

Cessar-fogo 

Guterres disse que o mundo precisa urgentemente de um Plano Global de Vacinação, que reúna todos aqueles com energia, conhecimento científico e capacidade produtiva e financeira necessários.  

University of Oxford/John Cairns
Coalizão de vacinas da OMS, Covax, com o apoio da Aliança Global de Vacinas, Gavi, conseguiu assegurar 2 bilhões de doses de cinco produtores

Segundo ele, o G20 está bem posicionado para estabelecer uma Força-Tarefa de Emergência para preparar esse Plano Global de Vacinação e coordenar sua implementação e financiamento. 

A força-tarefa deve incluir todos os países com capacidade para desenvolver vacinas ou produzi-las, junto com a Organização Mundial da Saúde, OMS, e outras organizações internacionais. 

A força-tarefa deve ter capacidade para mobilizar as empresas farmacêuticas e os principais atores da indústria e logística. Guterres diz que está pronto para galvanizar todo o Sistema das Nações Unidas em apoio a esse esforço. 

Guterres lembrou ainda seu apelo por um cessar-fogo global para aliviar o sofrimento, criar espaço para a diplomacia e permitir o acesso humanitário, inclusive para a entrega de vacinas.  

Foto ONU/Evan Schneider
Chefe do Unicef, Henrietta Fore, pediu apoio para cessar-fogo global

Dificuldades 

Já a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, lembrou que a agência pretende adquirir 2 bilhões de doses até o final deste ano. Isso se soma aos 2 bilhões de doses de outras vacinas que adquire todos os anos e distribui em cerca de 100 países. 

Henrietta Fore disse que o Unicef encontra maneiras de garantir a distribuição e entrega em contextos logisticamente difíceis, como o Sudão do Sul ou a República Democrática do Congo. Ela destacou ainda ambientes de alta ameaça, como o Iêmen ou o Afeganistão. 

Segundo ela, a agência também tem negociado “o acesso às populações em várias linhas de controle por grupos armados não estatais, áreas onde se estima viveram cerca de 60 milhões de pessoas.” 

Apelo 

Agora, enquanto o Unicef se prepara para este “lançamento histórico” da vacinação contra a Covid-19, Henrietta Fore pediu o apoio do Conselho em três áreas. 

Primeiro, que se junte ao apelo para que todos os Estados-membros incluam todas as pessoas em seus nacionais de vacinação.  

Em segundo lugar, apoiando um cessar-fogo global. Para a chefe do Unicef, no mínimo, é necessária uma pausa humanitária durante a entrega da vacina. 

Por fim, Fore pediu apoio para reiniciar as campanhas de imunização paralisadas para outras doenças como sarampo, difteria e poliomielite.  

Henrietta Fore concluiu dizendo que, no último ano, “a comunidade global se uniu para desenvolver, fabricar, distribuir e entregar esta vacina em tempo recorde.” Agora, ela afirmou que “este esforço histórico merece um apoio histórico.” 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Acordo com companhias aéreas ajuda a levar vacinas da Covid-19 ao mundo  

Unicef destaca “missão histórica” após entendimento com mais de 10 transportadoras aéreas; prioridade é entregar imunizantes, medicamentos e outros suprimentos; agência da ONU realça desafio logístico “monumental e complexo” na distribuição.