Covid-19 pode levar a mais interrupções na aquicultura e pesca em 2021
BR

8 fevereiro 2021

Pandemia limitou abastecimento, consumo e faturamento no ano passado; FAO revela que, com medidas restritivas, tripulações pescaram menos; consumidores alteraram preferências e optam por reservar alimentos não perecíveis. 

Um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, FAO, alerta que os setores da pesca e aquicultura podem estar sujeitos a mais interrupções em 2021. A principal razão são as limitações da pandemia, que continuam afetando a oferta e a demanda nesses setores. 

Espera-se que a queda global na aquicultura atinja 1,3%, o primeiro declínio anual em vários anos. Entre as principais razões estão os danos causados ao abastecimento, ao consumo e ao faturamento do pescado causados pela pandemia. 

De acordo com a FAO, todas as fases da cadeia de abastecimento da pesca e da aquicultura podem ser interrompidas ou limitadas por estas restrições
FAO/Hoang Dinh Nam
De acordo com a FAO, todas as fases da cadeia de abastecimento da pesca e da aquicultura podem ser interrompidas ou limitadas por estas restrições

Consumidores

A vice-diretora-geral da FAO, Maria Helena Semedo, disse que a crise de saúde “causou um transtorno generalizado na pesca e na aquicultura, pois a produção foi interrompida, as cadeias de abastecimento perturbadas e os gastos dos consumidores restringidos por vários bloqueios.” 

A agência adverte que com as persistentes medidas restritivas que vão afetando a oferta e demanda, mais interferências podem impactar o setor ao longo do ano. 

Semedo disse que com 2020 registrando a primeira queda em anos na aquicultura, “as medidas de contenção provocaram mudanças de longo alcance, muitas das quais provavelmente persistirão no longo prazo.” 

De acordo com a FAO, todas as fases da cadeia de abastecimento da pesca e da aquicultura podem ser interrompidas ou limitadas por estas restrições. 

Fechamento de restaurantes e hotéis em muitos países gerou uma queda na demanda por peixe fresco
Foto: FAO Bangladesh.
Fechamento de restaurantes e hotéis em muitos países gerou uma queda na demanda por peixe fresco

Restaurantes 

O Índice de Preços do Peixe caiu para a maioria das espécies comercializadas. Por outro lado,  o fechamento de restaurantes e hotéis em muitos países gerou uma queda na demanda por peixe fresco. 

Semedo revelou que o impacto da crise foi significativo nos países em desenvolvimento, especialmente naqueles com grandes setores informais, onde trabalhadores artesanais, de pequena escala e comunidades, dependem da pesca para sua segurança alimentar e meios de subsistência”. 

Para a vice-chefe da FAO estes grupos são os que “mais têm suportado o fardo das restrições”. 

De acordo com o relatório, os produtos da aquicultura não vendidos aumentam os estoques de peixes vivos, criando custos mais altos para alimentação e mais mortalidade de peixes. 

Pescadores de mergulho livre em Madagascar.
Pnud/Garth Cripps
Pescadores de mergulho livre em Madagascar.

Alimentos

Para a FAO, outra questão importante é a série de restrições relacionadas à Covid-19 sobre as tripulações, que aliadas às condições do mercado, reduziu a pesca. Com isso, houve uma ligeira queda na pesca selvagem em nível global no ano passado. 

O coronavírus também alterou as preferências dos consumidores. Com as famílias optando por reservar alimentos não perecíveis foi substituída a demanda por peixe fresco por produtos embalados e congelados. 

Antes da pandemia, o setor apresentava uma tendência de crescimento. Na última década, o consumo anual de peixe cresceu de forma significativa para uma média de mais de 20 quilos por pessoa. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud