Assembleia Geral espera participação recorde de chefes de Estado e Governo  
BR

22 setembro 2020

Nações Unidas abrem nesta terça-feira o primeiro debate geral virtual da história por causa da pandemia; líder da ONU, António Guterres, apresenta relatório anual sobre atividades da organização; Brasil é o primeiro a discursar de manhã e Angola o nono da tarde.

As Nações Unidas abrem esta terça-feira o debate geral da 75ª sessão da Assembleia Geral. 

O tema esse ano é “O futuro que queremos, as Nações Unidas que precisamos: reafirmando nosso compromisso coletivo com o multilateralismo”. 

Agenda 

Às 9h, horário de Nova Iorque, o secretário-geral apresentará seu relatório anual sobre o trabalho da organização.

Em seguida, o presidente da Assembleia Geral, Volkan Bozkir, abrirá o debate geral e seguirá com o primeiro chefe de Estado e governo a discursar: o presidente Jair Bolsonaro, do Brasil.

Bozkir contou aos jornalistas, na semana passada, que existe um número recorde de chefes de Estado inscritos para participar. Ao todo são cerca de 125 chefes de Estado e 57 chefes de Governo. 

Como de costume, o Brasil é o primeiro Estado-membro a discursar, seguido dos Estados Unidos, o país anfitrião. Dentre os países de língua portuguesa, apenas Angola também fala neste primeiro dia.  

Todos os discursos podem ser acompanhados na página da ONU. 

Quando discursam os países que têm o português como língua oficial?

  • 22 de setembro – Brasil e Angola;
  • 23 de setembro – Moçambique
  • 24 de setembro - Timor-Leste, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe
  • 25 de setembro – Portugal
  • 26 de setembro – Cabo Verde

Eventos 

Além dos discursos no hall da Assembleia Geral, uma série de eventos acontecerá nas próximas semanas, de forma virtual. 

A Cúpula sobre Biodiversidade terá lugar a 30 de setembro. Nesse momento, mais de 1 milhão de espécies estão em risco de extinção, dois bilhões de hectares de terra estão degradados e 66% dos oceanos, 50% dos arrecifes de corais, e 85% dos pântanos foram afetados pela atividade humana. 

Não há nenhuma outra organização global com a legitimidade, poder de convocação e impacto normativo das Nações Unidas

 

Em 1º de outubro, acontece a reunião de alto nível no 25º aniversário da Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher. Para Guterres, “a desigualdade de gênero continua sendo o maior desafio para os direitos humanos em todo o mundo.” 

O último dia, 2 de outubro, abriga a reunião plenária de alto nível para comemorar e promover o Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares. 

Aniversário 

Nesta segunda-feira, a ONU marcou o seu 75º aniversário com um evento de alto nível. 

Os Estados-membros aprovaram, por consenso, uma nova declaração de apoio à missão da ONU. Segundo o texto, “não há nenhuma outra organização global com a legitimidade, poder de convocação e impacto normativo das Nações Unidas.”   

Os Estados-membros concluem dizendo que “nenhuma outra organização global dá esperança a tantas pessoas.”  

No encontro, também foram divulgados os resultados a consulta global sobre desafios e o futuro da organização. Até este 21 de setembro, mais de 1 milhão de pessoas de todo o globo haviam participado.   

Mais de 87% dos entrevistados acreditam que a cooperação global é vital para lidar com os desafios atuais, e que a pandemia tornou a cooperação internacional mais urgente. 

Olhando para o futuro, 74% veem a organização como “essencial” para enfrentar os desafios. 

Foto ONU/Eskinder Debebe
Para reconhecer o valor destas instituições de apoio à Agenda 2030, a Assembleia Geral aprovou, no ano passado, uma resolução criando o Dia Internacional dos Bancos

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Pandemia leva ONU a realizar primeiro debate virtual da Assembleia Geral  

A partir desta terça-feira, 22 de setembro, chefes de Estado e Governo enviarão discursos gravados com duração de 15 minutos; Brasil é o primeiro a falar seguido por Estados Unidos, Turquia, China e Chile; Angola será o nono orador da tarde da abertura; último lusófono na lista, Cabo Verde assume o sétimo discurso na tarde de sábado.