ONU pede mais apoio para o combate da Covid-19 na Amazônia 
BR

29 julho 2020

Equipes da organização que atuam no Brasil, na Colômbia e no Peru emitiram comunicado ressaltando cooperação com os três países e barreiras a agências humanitárias devido à escassez de financiamento; indígenas estão entre as vítimas fatais da doença.

A região amazônica é uma das mais afetadas pela crise do novo coronavírus nas Américas. Na semana passada, a Agência da ONU para Refugiados, Acnur, decidiu ampliar sua atuação no norte do Brasil após um aumento nos casos da Covid-19. Dentre as vítimas fatais estavam vários refugiados venezuelanos indígenas.

Algumas populações, como povos indígenas, estão mais vulneráveis às consequências da pandemia, Paho/Karen González Abril

Na terça-feira, as equipes das Nações Unidas que atuam no Brasil, na Colômbia e no Peru emitiram um comunicado conjunto pedindo mais apoio para combater a pandemia na Amazônia. 

Medidas

Centenas de milhares de indígenas estão contraindo o vírus na região. A ONU informou que tem cooperado com autoridades dos três países, mas a escassez de recursos e financiamento está ameaçando o trabalho das agências humanitárias.

Segundo a ONU, 170 mil pessoas vivem em áreas remotas ao longo do rio Amazonas, onde o nível de contaminação é um dos mais altos entre integrantes de comunidades indígenas.

Com as medidas de combate à pandemia incluindo distanciamento social, ficou mais difícil chegar a esses locais, que sofreram ainda com as consequências socioeconômicas da pandemia.

As Nações Unidas citam problemas como insegurança alimentar e desigualdade de gênero, que já existiam antes da Covid, mas foram agravadas pela crise.

Expansão

Como parte da resposta, a Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, atuou com o Ministério da Saúde do Brasil para preparar o Plano Nacional de Contingência para a População Indígena.

No norte do país, em Roraima e no Amazonas, a parceria levou à expansão dos serviços de saúde para a população indígena. Houve um aumento das unidades de terapia intensiva, UTI, e o envio de equipamentos de proteção para os agentes de saúde. 

As agências da ONU também distribuíram kits de higiene e alimentos, vacinas e material de informação traduzido nas línguas locais.

Força Aérea

Na Colômbia, ações da Opas com autoridades locais têm ajudado a conter o vírus  nas regiões amazônica e de Orinoquía. Na cidade de Letícia, por exemplo, a recuperação dos infectados pelo vírus é de 90,9%. Apenas 3,1% estão internados e a média de pessoas que permanecem na UIT é de 0,3%.

A Organização Pan-Americana da Saúde ajudou a contratar quatro médicos e três enfermeiros, forneceu equipamentos de saúde e contou com a ajuda da Força Aérea Colombiana, para permitir o transporte de pacientes críticos. 

O país também recebeu um voo com 44 toneladas de alimentos e kits de higiene.

Já no Peru, uma estratégia de resposta rápida ajudou povos indígenas de Loreto e  distritos que fazem fronteira com o Brasil e a Colômbia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Campanha da ONU evidencia solidariedade brasileira no combate à pandemia 

Em São Paulo, uma ONG está treinando cidadãos a levarem informações sobre medidas de higiene e prevenção do vírus; no Rio de Janeiro, uma outra organização atua entre pessoas sem acesso à internet utilizando alto falantes e técnicas de arte para disseminar dicas de profilaxia.