Agência para Migrações lança plano de US$ 17 milhões contra novo coronavírus
BR

21 fevereiro 2020

Iniciativa da OIM inclui coordenação transfronteiriça, treinamentos e simulações para funcionários do governo; de acordo com Organização Mundial da Saúde, até a manhã desta sexta-feira em Genebra, haviam sido confirmados 75.567 casos do Covid-19 na China, com 2.239 mortes.

A Organização Internacional para Migrações, OIM, lançou nesta sexta-feira, um plano estratégico de US$ 17 milhões para apoiar países na preparação e resposta ao surto do novo coronavírus, Covid-19. 

O movimento de pessoas em Shenzhen, na China, está sendo rigorosamente controlado durante o surto de coronavírus.
O movimento de pessoas em Shenzhen, na China, está sendo rigorosamente controlado durante o surto de coronavírus. Foto: Man Yi

O plano abrange uma ampla série de intervenções, como coordenação transfronteiriça, treinamentos e simulações para funcionários públicos.

Controle

A iniciativa terá exercícios de mapeamento de mobilidade da população, atividades de comunicação de risco e envolvimento da comunidade. Serviços de água, saneamento básico e higiene integram o pacote de prevenção e controle de infecções.

O diretor-geral da OIM, António Vitorino, destacou que no mundo de hoje existem “grandes ameaças à saúde pública, como essa, que não podem ser adequadamente gerenciadas sem garantir que todos, inclusive os migrantes, sejam considerados nos esforços de preparação e resposta.” Ele acrescentou que o plano da OIM também combate estigma e  informações erradas.

Casos

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, até a manhã desta sexta-feira, haviam sido confirmados 75.567 casos de Covid-19 na China e 2.239 mortes.

Fora da China, existem 1.152 casos, em 26 países, com oito mortes.

Desde janeiro, quando a OMS declarou a doença uma emergência de saúde pública internacional, muitos países adotaram medidas como vigilância em aeroportos e quarentenas para combater o surto.

Com mais de 430 escritórios e cerca de 14 mil funcionários em todo o mundo, incluindo milhares trabalhando especificamente em saúde e envolvimento da comunidade, a OIM diz estar numa posição única para fornecer suporte incluindo a surtos de ebola, ocorridos na República Democrática do Congo.

Autoridades locais em Shenzhen, China, estão desempenhando um papel importante no monitoramento de casos do coronavírus.
Autoridades locais em Shenzhen, China, estão desempenhando um papel importante no monitoramento de casos do coronavírus. Foto: Man Yi

Plano

O objetivo do plano é principalmente atender países que possam precisar de recursos adicionais e ajudar os sistemas de saúde a lidar com as novas exigências.

A maior parte do apoio, US$ 12 milhões, deve ser entregue igualmente à região da Ásia-Pacífico e leste, oeste e sul da África. Os US$ 5 milhões restantes seriam usados ​​para o Oriente Médio, o norte da África, a Europa, a Ásia Central e as Américas.

OMS

Falando a jornalistas nesta sexta-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus disse que apesar de o número de casos de Covid-19 na província chinesa de Hubei continuar diminuindo, existe uma preocupação no momento com um aumento de incidências na província de Shandong.

Tedros explicou que “embora o número total de casos, fora da China, permanecer relativamente pequeno”, existe uma preocupação com o “número de casos sem vínculo epidemiológico claro, como histórico de viagens ou contato com um caso confirmado."

A OMS informou que além do navio de cruzeiro Diamond Princess, a República da Coreia concentra a maioria dos casos fora da China. Tedros acrescentou que a agência também está preocupada com o aumento de incidência do novo coronavírus no Irã, onde há agora 18 casos e quatro mortes.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud