Situação humanitária e de segurança na Venezuela preocupa alta comissária da ONU
BR

18 dezembro 2019

Michelle Bachelet, responsável pelo Alto Comissariado de Direitos Humanos, cita crise econômica, violência, hiperinflação e diz que apenas uma minoria com acesso à moeda estrangeira consegue comprar alimentos.  

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, fez esta quarta-feira uma atualização sobre a situação na Venezuela.  

Falando em Genebra, Bachelet falou sobre investigações em curso, situação humanitária e disse estar preocupada com questões eleitorais, de liberdade, violência e migração.  

A chefe dos direitos humanos da ONU disse que a situação socioeconômica continua afetando os direitos econômicos e sociais dos venezuelanos. Foto: ONU News/Daniel Johnson

Economia 

A situação socioeconômica continua afetando os direitos econômicos e sociais dos venezuelanos. Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Cepal, a economia contraiu 25,5% em 2019. Desde 2013, o Produto Interno Bruto, PIB, caiu 62,2%. 

Nos últimos meses, houve uma melhoria na distribuição de alimentos, mas apenas uma minoria da população, com acesso a moeda estrangeira, pode pagar os preços dos alimentos devido à hiperinflação. 

O governo decretou recentemente um aumento de 375% no salário mínimo, mas o poder de compra em termos da cesta básica caiu 72,5% desde o início de 2019. Atualmente, o salário mínimo cobre apenas 3,5% da cesta básica. 

Serviços públicos. 

Bachelet afirmou que “os riscos para meninas, meninos e adolescentes são preocupantes” em relação à educação e saúde. 

No Hospital Pediátrico J.M. de los Rios, por exemplo, morreram três meninas no departamento de hematologia e um menino no departamento de oncologia no mês passado. Das 39 meninas e meninos que precisam de transplante de medula óssea, 15 estão em estado crítico. 

Durante o mês de novembro, a Caritas informou que nas paróquias mais pobres de 19 estados do país, 11,9% dos meninos e meninas que recebem assistência apresentaram sinais de desnutrição aguda, um aumento de 56% em comparação com 2018. A Caritas também informou que 48,5% das grávidas tratadas tinham problemas de nutrição. 

Protestos 

Segundo o Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais, mais de 16,4 mil protestos foram registrados este ano. Cerca de 4,4 mil nos últimos três meses. A maioria destas manifestações são lideradas por profissionais de educação, saúde e indústria, protestando contra más condições de trabalho e falta de condições básicas em escolas e hospitais. 

O Observatório Venezuelano de Violência estimou uma taxa de 60,3 mortes violentas por 100 mil habitantes de janeiro a novembro de 2019. Bachelet disse que esse valor representa uma queda desde 2018, mas continua sendo um dos índices mais altos da região. 

A alta comissária reiterou sua preocupação com os níveis de violência que, nos últimos meses, também afetaram líderes políticos locais, 

Desde agosto, o Escritório da ONU documentou várias alegações de assassinatos extrajudiciais, principalmente de jovens, por membros das Forças Especiais de Ação, Faes, durante operações de segurança realizadas em bairros marginalizados. 

Recentemente, o Procurador-Geral da Venezuela anunciou que, desde agosto de 2017, 770 funcionários foram acusados ​​de violações dos direitos humanos. Nesse momento, 393 já foram detidos e 131 condenados. 

Bachelet afirmou que “os riscos para meninas, meninos e adolescentes são preocupantes” em relação à educação. Foto: Unicef/Santiago Arcos

Migrantes e Refugiados 

A Plataforma de Coordenação para Refugiados e Migrantes da Venezuela estima que 4,7 milhões de venezuelanos fugiram do país. Até o final de 2020, o número deve chegar a 6,5 ​​milhões. 

Bachelet afirmou estar “preocupada com o aumento da migração irregular devido, em parte, ao aumento de requisitos de entrada em alguns países de trânsito e destino, bem como dificuldades que os venezuelanos enfrentam para obter sua documentação de viagem.” 

Nos últimos meses, as autoridades venezuelanas aumentaram os custos de emissão de passaportes em 70%, um custo equivalente a 54 salários mínimos. Houve um aumento no uso de rotas mais perigosas e na exposição de pessoas ao contrabando e tráfico de pessoas. 

Segundo o Escritório de Bachelet, entre abril e junho desse ano, 102 migrantes que estavam indo para as ilhas do Caribe em três barcos desapareceram, embora os motivos não sejam claros. Até o momento, o paradeiro de 32 mulheres, dez adolescentes, 3 crianças e 46 homens é desconhecido. 

Liberdade 

Michelle Bachelet também destacou restrições às liberdades públicas, que limitam o espaço civil e democrático. 

Antes das manifestações da oposição de 16 de novembro, foram registrados atos de intimidação nas redes sociais contra alguns jornalistas. As organizações não-governamentais também continuam enfrentando restrições. 

Em 2020, a Venezuela realiza eleições. Bachelet disse que “é crucial garantir liberdades públicas fundamentais para criar as condições necessárias para eleições livres, imparciais, credíveis, transparentes e pacíficas.” 

A alta comissária repetiu o seu apelo a todos os atores políticos do país para “retomar as negociações, alcançar uma solução para a crise política e econômica e dar novamente esperança à população.” 

Investigações e cooperação  

Em 20 de setembro, O Escritório da ONU de Direitos Humanos assinou uma Carta de Entendimento com o Governo da Venezuela, que prolonga a cooperação por um período renovável de um ano. Dois agentes de direitos humanos continuarão no país, com acesso a todos os locais, inclusive centros de detenção. 

Nos últimos meses, o Escritório também coletou informações dos sistemas de justiça, segurança e penitenciária, com o objetivo de prestar assistência técnica na prevenção da tortura, investigações de assassinatos extrajudiciais e a situação dos centros de detenção preventiva. 

Bachelet disse que aprecia a disponibilidade das autoridades para rever as investigações sobre suspeitas de assassinatos extrajudiciais durante os protestos de 2017. 

Nos últimos três meses, os especialistas da ONU realizaram nove visitas a centros de detenção, realizando entrevistas confidenciais com mais de 70 indivíduos. Durante esse mesmo período, foram documentados 118 casos que precisam ser revistos de forma urgente, devido a questões de saúde, atrasos judiciais ou conclusão de sentenças. 

Bachelet destacou a libertação de 28 pessoas que tinham sido detidas por motivos políticos e pediu que as autoridades a libertem todas as pessoas detidas pelos mesmos motivos. 

Em dezembro, começou o julgamento pela tentativa de assassinato do presidente Nicolás Maduro, com 14 homens e 3 mulheres sendo julgados. A alta comissária pediu que o sistema judiciário garanta o direito a um julgamento justo, incluindo o direito a defesa.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

América Latina e Caribe: período de 2014-2020 será o de menor crescimento em 70 anos

Novo relatório diz que os motivos são redução da demanda interna, baixa procura externa e fragilidade dos mercados financeiros internacionais; para Brasil, projeção de crescimento é de 1% este ano e de 1,7% em 2020.

Agência da ONU elogia decisão do Brasil de reconhecer milhares de venezuelanos como refugiados

Decisão anunciada pelo Comitê Nacional de Refugiados do Brasil, Conare, beneficiará cerca de 21 mil venezuelanos; porta-voz da agência disse que “medida constitui um marco na proteção de refugiados na região”.