Agências da ONU condenam morte de jornalista na RD Congo
BR

4 novembro 2019

Profissional escrevia sobre temas relacionados ao surto de ebola; em 2019, Nações Unidas documentaram mais de 300 ataques a serviços de saúde que causaram seis mortes e deixaram 70 feridos no país.

Um grupo que inclui o Governo da República Democrática do Congo e parceiros internacionais condenou “nos termos mais fortes possíveis” o assassinato de um jornalista que divulgava informações para prevenir a propagação do vírus de ebola no país.

As autoridades congolesas  informaram que a casa de Papy Mumbere Mahamba foi invadida e incendiada no domingo por indivíduos não identificados em Lwebma, na província de Ituri, nordeste. Eles também feriram a esposa do jornalista.

Zona de tratamento do ebola na província do Kivu Norte, na República Democrática do Congo. Foto: Unicef/Tremeau

Suspeitos

Esta segunda-feira, o grupo de parceiros publicou uma nota destacando que ainda não está claro o motivo do ataque. Dois suspeitos foram presos pelas autoridades como parte de uma investigação sobre o assassinato.

Este ano, a OMS documentou mais de 300 ataques a serviços de saúde no país, que causaram seis mortes e deixaram 70 feridos incluindo profissionais e pacientes no país.

A agência destaca que todo o ato desse tipo atrasa a resposta ao ebola, que não pode avançar se não houver um ambiente propício para que as equipes de resposta cheguem à população.

A reação é do secretariado técnico interministerial da resposta ao surto de ebola, o Ministério da Saúde e parceiros como a Organização Mundial da Saúde, o Fundo da ONU para a Infância, e as Operações de Emergência para Resposta à doença.

Surto

A vítima trabalhou numa rádio comunitária em Lwemba e realizou ações para despertar a consciência da comunidade sobre o décimo surto de ebola no país, que há mais de um ano afeta as províncias de Ituri, Kivu do Norte e Kivu do Sul.

Diante da segunda pior epidemia de ebola da história, o comunicado destaca que qualquer ato de violência contra pessoas envolvidas com a resposta é inaceitável.

A nota destaca que esses atos comprometem a capacidade dos profissionais de saúde de prestar assistência às comunidades afetadas pela doença.

Entidades como a Polícia Nacional, a Agência Nacional de Inteligência e as Forças Armadas trabalham para garantir que os responsáveis pelo “ato hediondo sejam levados à justiça o mais rapidamente possível”, destaca a nota.

O grupo expressa solidariedade às famílias dos afetados pelo incidente e à comunidade onde aconteceu o ato de violência.

ONU/Martine Perret
Vítimas do ebola enterradas no cemitério Kitatumba, no Butembo, no leste da República Democrática do Congo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unesco diz que 90% dos autores de assassinatos de jornalistas continuam impunes

Em novo relatório na véspera do Dia Internacional para Acabar com a Impunidade de Crimes contra Jornalistas, agência diz que de 2006 a 2018, 1109 jornalistas foram mortos; Até 30 de outubro, houve 43 assassinatos de profissionais de mídia e imprensa; no mesmo período do ano passado, foram 90 mortes.

Assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi fez parte de plano, reitera relatora da ONU

Especialista disse acreditar que assassinato foi um assunto “de Estado”; relatora lamenta limitações de mandato para realizar investigação mais profunda sobre a culpa de indivíduos.