Portugal diz que vai reduzir pela metade emissões de CO2 até 2030

23 setembro 2019

Chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou a medida no Encontro de Cúpula sobre Ação Climática; país também quer alcançar eficiência energética de 35% e produzir 80% da eletricidade a partir de fontes renováveis na próxima década.

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta segunda-feira que “demasiado tempo já foi perdido” para combater a mudança climática e que “complacência e indiferença não serão mais toleradas.”

O chefe de Estado português discursou no Encontro de Cúpula sobre Ação Climática, que acontece na sede da ONU em Nova Iorque. Mais de 80 de líderes de governo, do setor privado e da sociedade civil anunciaram compromissos para combater a mudança climática.

Assembleia Geral durante Encontro de Cúpula para a Ação Climática, Foto ONU/Loey Felipe

Progresso

Rebelo de Sousa disse que Portugal foi o primeiro país a assumir o compromisso de ser neutro em carbono em 2050, adotando uma estratégia de longo prazo para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

O presidente afirmou que “a próxima década será crítica” e, por isso, o país reforçou as ambições para 2030. Portugal pretende reduzir as emissões CO2 em 50%, atingir um objetivo de eficiência energética de 35% e produzir 80% da eletricidade a partir de fontes renováveis, eliminando totalmente o uso de carvão.

Segundo ele, Portugal vai cumprir esse objetivo usando “sistemas de energia sem emissões de carbono, mobilidade urbana, sequestro de carbono usando florestas e outros usos da terra, incluindo soluções baseadas na natureza”.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que “Portugal já produz 54% de energia a partir de fontes renováveis, já iniciou a eliminação progressiva dos subsídios aos combustíveis fósseis e está a restaurar ecossistemas marinhos degradados.”

Oceanos  

O chefe de Estado destacou a Conferência do Oceano das Nações Unidas, que o país está a organizar, juntamente com o Quénia. O encontro acontece em Lisboa em junho de 2020.

Para o presidente português, “cabe aos líderes políticos dar o exemplo”. Ele afirmou que o encontro desta segunda-feira “é um começo novo e irreversível” e que “o futuro não pode ser adiado.”

Marcelo Rebelo de Sousa terminou o discurso se dirigindo aos jovens presentes na sala. Ele disse ter a certeza de que o mundo “não irá falhar” no combate à mudança climática.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe da ONU diz que se recusa a ser cúmplice na destruição do planeta Terra

Secretário-geral, António Guterres, fez a declaração na abertura do Encontro de Cúpula sobre Ação Climática; segundo ele, o “tempo está a acabar, mas ainda não é tarde demais”; mais de 80 líderes internacionais participam do evento.